Home / Entrevistas /

Camané: “o fado é uma maneira de estar na vida”

camané

Camané: “o fado é uma maneira de estar na vida”

by Goreti Teixeira

Share this article

Giveaway Virtual Drummer
      

Uma voz penetrante. Um olhar tímido. Uma presença segura. Assim podemos caracterizar Camané. Um fadista que sente o fado de uma forma muito particular. Uma mistura de sentimentos que lhe invadem a alma e fazem brotar cá para fora todo o seu talento.

Como contou há alguns anos em entrevistas à imprensa, Camané – nome artístico para Carlos Manuel Moutinho Paiva dos Santos – teve o seu despertar para a música durante a infância, quando aproveitando o tempo que passou em casa a recuperar de uma doença infantil, começou a vasculhar os discos do pai e a interiorizar ritmos de Frank Sinatra, Charles Aznavour e dos Beatles, deixando-se a pouco e pouco fascinar por fadistas como Amália Rodrigues, Maria Teresa de Noronha e Alfredo Marceneiro.

Neste post, sacudo a poeira a uma entrevista antiga que tive a honra de fazer a Camané pela altura em que lançou o seu álbum “Pelo Dia Dentro”, em 2001. Uma conversa intimista sobre a carreira e vida do artista, que partilha como é viver a fazer fado.

À conversa com Camané

Goreti Teixeira (GT): Quais são os poetas que mais gosta de cantar?

Camané (C): Manuela de Freitas, João Monge, José Mário Branco, Aldina Duarte, Amélia Muge, José Luis Porto são pessoas que têm escrito para mim e de quem gosto muito. Além deles tenho alguns poetas clássicos como Fernando Pessoa, alguma poesia popular deste poeta que engrandece o meu trabalho. No entanto, é necessário escolher o poema correcto porque não é fácil cantar Pessoa. Tem de ser um poema bem escolhido para não o estragar.

GT: Mas existe alguém que gostasse que escrevesse para si e ainda não o tenha feito?

C: Existem realmente muitas pessoas com quem gostava de trabalhar, mas ainda não surgiu a oportunidade. Geralmente, quando começo a fazer um disco as coisas vão surgindo, se fizer sentido falar com essa pessoa falo, porque quando peço qualquer coisa quero ter a certeza de que a vou fazer.

GT: E você aventura na composição?

Não, nem em letras nem em músicas. Sou só interprete.

camane-pelo-dia-dentroGT: Existem pessoas que não gostam de fado, nomeadamente a geração mais nova. Para alguém que pensa desta maneira como a ajudaria a tentar conhecer melhor o fado?

C: Muitas das pessoas que não gostam de fado é porque não ouviram. A única coisa que posso fazer é fazer o meu trabalho, porque o que as pessoas sentem hoje é aquilo que sentiam há 50 anos atrás, apesar dos factos da vida serem diferentes e isso tem de estar presente na linguagem do fado. O fado é uma coisa para a vida inteira, mas acho que a pouco e pouco as pessoas vão-se apercebendo disso. Tenho reparado que cada vez mais gente nova ouve a minha música e acho que isso vai passando de boca em boca.

GT: Na sua opinião o fado ainda continua a ser tratado como uma música de segunda categoria?

C: No meu caso sinto-me bem tratado, no entanto, na altura em que comecei a cantar, com 18 anos, as pessoas da minha idade gozavam comigo. O fado naquela altura não era politicamente correcto. Lembro-me que morava em Oeiras e quando ia para as casas de fado tinha de apanhar o comboia e até à estação era gozado porque andava de fatinho. Era complicado, mas com o passar do tempo as coisas foram melhorando. Um disco de fado não é tratado como qualquer outro género musical. O facto de ter ganho prémios que não são normais os fadistas ganharem, como um Globo de Ouro, um Bordalo Pinheiro e um Prémio Blitz mostram como as coisas estão a mudar.

GT: As rádios ajudam na divulgação da música portuguesa?

C: Acho que não. As rádios locais ainda continuam a passar música portuguesa, mas as nacionais não. Com a globalização é complicado e até mesmo a identidade cultural de um país pode estar em perigo. Penso que as pessoas deviam ter atenção a isso.

GT: Como é que define o fado?

C: É uma maneira de estar na vida que depois se transforma nesta forma de expressão. É complicado definir qualquer tipo de arte.

GT: Qualquer pessoa pode ser fadista?

C: Claro que não. Aprende-se mas não se ensina. Aprende-se porque a pessoa tem esse dom, esse talento e consegue. É como um jogador de futebol quando começa a dar os primeiros toques. Se tiver muito talento aprende, mas se isso não acontecer pode ser ensinado mas nunca será bom. Com o fado acontece a mesma coisa.

GT: Como é que surgiu esta sua paixão pela música?

C: Quando tinha sete anos fiquei doente e tive de passar 15 dias em casa e como os meus pais tinham uma colecção de discos de fado ouvi-os compulsivamente. Até nem tinha jeito para cantar, mas passado uns dias dei por mim a cantar aquelas músicas. Quando tinha 10 anos fui com os meus pais a uma casa de fado e cantei. As pessoas acharam muita graça e a partir dai de vez enquando canta aos fins-de-semana. Participei depois na Grande Noite do Fado, em 1979 e ganhei. Nessa altura ainda cheguei a gravar quatro singles, um deles produzido pelo António Chainho. Depois até aos 18 anos parei de cantar.

camane-albumGT: Se não tivesse seguido esta carreira o que teria sido o Camané?

C: Já pensei várias vezes nisso, mas não faço a mínima ideia.

GT: Que sensações é que o invadem quando está num palco rodeado de uma grande plateia?

C: Ao princípio tenho imenso medo, mas ao mesmo tempo sinto uma enorme felicidade. Como sou tímido tenho muito medo, mas quando estou a cantar perco essa timidez e ter humildade suficiente para dar qualquer coisa às pessoas. Às vezes consigo ouvir o silêncio quando estou a cantar.

GT: Pelo facto de ser uma pessoa tímida é difícil lidar com as pessoas que o abordam na rua?

C: Não gosto de trabalhar sob rejeição. As pessoas gostam de mim e isso é bom, mas não deixaria de fazer o que faço se fosse menos conhecido. As pessoas são muito simpáticas para mim e têm respeito por mim. Penso que também tem a ver com a forma como estou nas coisas.

GT: Concorda quando se diz que o fado é saudade e tristeza?

C: O samba é tão triste como o fado, o problema é que as pessoas nunca se apercebem das letras. O fado é a nossa forma de expressar essa tristeza ou a alegria. O fado fala dos sentimentos de uma forma profunda, a tristeza é profunda, alegria é profunda. Não se pode chegar à alegria sem passar pela tristeza. Há toda essa magia no fado. Essa autenticidade que faz parte da vida e é esta a nossa forma de expressar os sentimentos.

POSTS RELACIONADOS

   

Share this article

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *