Home / Concertos /

The Divine Comedy: Melodias extravagantes e líricas sedutoras

the divine comedy

The Divine Comedy: Melodias extravagantes e líricas sedutoras

 

Extensão colectiva do músico Neil Hannon, The Divine Comedy ganhou um lugar na história da pop-rock britânica por direito próprio, ou seja, pela qualidade da música que criou.

Desde a formação da banda, no ido ano de 1989, que o músico irlandês, nascido em Derry, na Irlanda do Norte, vem provando ser um dos mais criativos e originais compositores do Reino Unido.

“The Divine Comedy sou eu na minha pureza”, diz Neil Hannon, que deu a conhecer a sua divina comédia com «Fanfare for the Comic Muse», no ano de 1990.

Entre o inferno, o purgatório e o paraíso, Neil Hannon compôs para mais nove álbuns, com «Bang Goes the Knighthood» a fechar esse ciclo em 2010.

Seis anos depois, «Foreverland», que o músico vem apresentar a Portugal, é um disco de líricas bem construídas e sedutoras, melodias extravagantes e arranjos sumptuosos, que atravessam 12 ternas e suaves composições sobre as relações do quotidiano.

“Talvez esta seja a minha fase imperial”, sustenta Neil Hannon, cujo disco tem referências a Catarina, a Grande e à Legião Estrangeira Francesa.

 

 

“Este álbum é sobre a nossa alma gémea e como viver feliz para sempre… e do que vem depois do ‘felizes para sempre’”, afirma, deixando um aviso: “Preparem-se para o hit mais historicamente impreciso do Verão”.

Projeto nascido no dealbar da década de 90 do século passado, The Divine Comedy, ao contrário de muitas bandas do tempo da Brit Pop, prossegue o seu caminho, evidenciando os predicados de Neil Hannon, seu mentor, compositor e intérprete.

Desde o último registo de originais editado em 2010, «Bang Goes The Knighthood», Neil Hannon dedicou-se a alguns dos seus projetos paralelos. O músico envolveu-se na elaboração do segundo disco da banda The Duckworth Lewis Method, dupla que tem com Thomas Walsh, dos Pugwash, bem como na composição de um coral para o recém-renovado Royal Festival Hall, intitulado «To Our Fathers In Distress». Hannon supervisionou ainda a transferência do seu musical «Swallows and Amazons» para o West End.

The Divine Comedy: o regresso a Portugal

The Divine Comedy regressa a Portugal para dois concertos em nome próprio e que integram a digressão na qual a banda irlandesa tem apresentado o 11.º álbum de estúdio, Foreverland, lançado em Setembro de 2016.

O Theatro Circo, em Braga, recebe os irlandeses no dia 3 de Fevereiro, ao passo que na capital o concerto será, no dia seguinte, no Teatro Tivoli BBVA.

A primeira parte de ambos os concertos será assegurada pela também irlandesa Lisa O’Neill, que em Braga e Lisboa apresentará o seu mais recente disco de originais, «Pothole in the Sky».

 

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *