Home / Plugins VST /

Plugin Elevate: um Limitador para Masterização com um Cérebro!

Plugin Elevate: um Limitador para Masterização com um Cérebro!

by Gonçalo Sousa

Share this article

      

A Newfangled Audio foi fundada por Dan Gillespie após 15 anos a escrever software de processador de sinal digital (DSP) para a Eventide. Ao combinar as técnicas tradicionais de processamento digital de sinais com os avanços no campo da aprendizagem de máquinas, a missão da empresa é criar as melhores ferramentas áudio sonoras disponíveis.

Digamos que a formação e experiência de Dan Gillespie não são de menosprezar. Para quem não conhece a Eventide (também conhecida anteriormente como Eventide Clock Works Inc.) esta é uma empresa americana de áudio, radiodifusão e comunicações cuja divisão de áudio fabrica processadores de áudio digital, software de processador de sinal digital (DSP) e efeitos de guitarra.

Foi uma empresa pioneira no fabrico de processadores de áudio digital e os seus produtos são os pilares da gravação e reprodução de som, pós-produção e estúdios de radiodifusão.

Perante este contexto não deixa de ser curioso notar que a missão da Newfangled Audio está implícita na escolha do nome da marca, já que a palavra Newfangled em inglês significa, de forma literal, algo diferente daquilo a que se está habituado, algo objectivamente novo.

Esta é a sua tradução direta, o que aplicado ao mundo do plugins VST indica claramente que a aposta baseia-se na criação de soluções nunca antes concebidas. Como é o caso do plugin que vamos falar neste artigo, o Elevate: um Limitador para Masterização com um Cérebro!

 

 

Antes de continuarmos a nossa review, convém realçar que o Elevate está apenas disponível dentro de um pacote, mais concretamente, faz parte do Elevate Mastering Bundle, que também inclui os plugins Punctuate, Saturate, e EQuivocate, cujas qualidades vamos abordar em outros artigos.

Concebido para masterização, mas com aplicação em vários outros cenários, o Elevate é o Limiter plugin mais avançado alguma vez criado. Este limitador multi-banda único funciona como um verdadeiro EQ de ouvido humano e poderoso maximizador de áudio que visa aumentar o ruído da sua mistura, mantendo ou melhorando a sua percepção dinâmica.

De forma simplista podemos dizer que utiliza tecnologia inteligente e adaptativa que responde em tempo real à sua música: criando não só a mais alta, mas também a melhor masterização sonora.

Mas o que é a Masterização? A masterização é a fase final da produção áudio – o processo de dar os toques finais a uma canção, melhorando o som global, criando consistência em todo o álbum, e preparando-o para a distribuição.

Numa cadeia de efeitos e plugins de uma masterização, a última etapa consiste habitualmente na colocação de um Limiter, um Limitador, que como o nome indica permite elevar o nível de volume sem que os picos se fixem. Os limitadores modernos são extremamente precisos na captura de picos e não permitem a passagem de nada por cima do seu tecto, razão pela qual são por vezes referidos como limitadores de “pico” ou “brickwall master”.

 

 

O que é o plugin Elevate?

Desenvolvido pela Newfangled Audio, o Elevate mantém uma dinâmica subtil e melhora o equilíbrio tonal da sua mistura. O limitador adaptativo analisa 26 bandas de frequência e altera o volume, velocidade e transientes para cada banda em tempo real. O resultado é um som transparente e natural.

O Elevate utiliza 26 bandas filtrantes críticas modeladas a partir do ouvido humano. Cada uma das bandas é espaçada para dar o máximo controlo sobre como o som atinge o seu tímpano. Desenha curvas, bandas a solo e manipula o ataque transitório de cada banda individual para trazer à tona instrumentos particulares, tais como bombos ou tarolas.

Vamos ver por tópicos outras características:

Analisa e altera o volume (ou ganho), velocidade e transientes de cada banda filtrante em tempo real.

Inclui predefinições por APS Mastering, Matt Lange, Jeremy Lubsey, Eric Beam, ROCAsound, Chris Tabron e John McCaig

Adapta automaticamente os parâmetros de ataque, libertação e aparência para cada banda filtrante para reduzir grandemente os artefactos de “bombeamento” e respiração e a distorção percebida

Preserva ou enfatiza transientes rápidos para evitar esmagar a mistura

Manipula os transitórios através das bandas críticas para preservar os ataques dos bombos, tarolas e pratos, sem afectar toda a mistura

Utiliza filtros auditivos de fase linear – baseados na Escala de Mel – para manipular o áudio de uma forma natural para o seu ouvido interno

Solo a saída de uma banda (ou várias bandas) para afinar as frequências problemáticas, afinar transientes ou alterar o ganho

Use a função Nível de Saída Automática para comparar o sinal limitado com sinais não limitados com a mesma quantidade de ganho, permitindo-lhe ouvir facilmente o impacto que o processamento está a ter no seu som

Utilize o Clipper Espectral para sobrepor a saída final sem afectar o equilíbrio tonal ou permitir que o sinal fique “tubby”; Perfeito para um som mais agressivo

6 tipos diferentes de medição permitem-lhe estar atento a todos os aspectos do seu áudio de saída

 

 

A tecnologia que explica o funcionamento do Elevate

O Elevate utiliza algoritmos de aprendizagem de máquinas para facilitar a obtenção dos melhores sons, mas ainda assim permite a cada utilizador ter um controlo tão preciso quanto desejar. Isto inclui dar-lhe o controlo sobre o equilíbrio tonal e os transitórios dentro da fase limite final.

Os algoritmos adaptativos reduzem os artefactos audíveis e os controlos adicionais dão-lhe a máxima flexibilidade com resultados profissionais.

De facto, o Elevate não tenta substituir o cérebro de um engenheiro de som ou de um profissional de masterização, mas sim ajudá-lo a concretizar melhor a sua visão e percepção para uma determinada mistura.

Por isso mesmo, o plugin usa a inteligência cerebral para fazer um trabalho que nenhum humano jamais consideraria fazer manualmente – resolver um problema particular sub-determinado que surge quando se tenta criar uma masterização com alto volume e que soa bem.

   

Colocado perante as dúvidas de alguns especialistas que duvidam da afirmação que o Elevate possui um “cérebro”, o próprio Dan Gillespie escreveu um artigo bastante elucidativo sobre o que está por trás da tecnologia do plugin. Pode ler a explicação completa aqui neste link.

Nesse texto, o criador do Elevate explica porque é que um cérebro é melhor a resolver problemas sub-determinados do que um algoritmo. Em suma, resolver problemas sub-determinados é apenas usar uma linguagem matemática para descrever o bom senso.

Mas como é que isto se aplica ao Elevate e ao seu trabalho? O plugin quebra o sinal de entrada nas 26 bandas críticas da audição humana. Então para cada amostra precisamos de encontrar o melhor valor de ganho para cada banda, de modo a que quando as somarmos todas de novo, a saída não seja superior a 1. E é aqui que o senso comum de um “cérebro” ajuda a fazer boas escolhas para esses ganhos.

Encontrar a “melhor” solução para um problema sub-determinado chama-se resolver um problema de optimização, e para o resolver o Elevate aplica um “modelo” ao problema que dá ao computador uma ideia de como é uma boa solução. Assim, o software tem um modelo que tenta definir o “melhor” como “best-sounding”, depois estabelece um problema de optimização e resolve-o em cada amostra para garantir a master mais alta e com o melhor som.

E é por isso que o Elevate é um Limitador para Masterização com um Cérebro!

 

 

 

Como funciona o Elevate?

A interface principal Elevate oferece uma visão global do processamento. Os sons podem ser obtidos rapidamente, com o mínimo de alarido. Definir o limitador, a resposta transitória, e o cortador para obter rapidamente resultados utilizáveis. No entanto, grandes recompensas podem também ser obtidas através de controlos de perfuração e de adaptação a conteúdos específicos.

O limitador adaptativo analisa 26 bandas de frequência e altera o ganho, velocidade e transientes para cada secção em tempo real. Por defeito, estas bandas mapeiam para a Escala de Mel. (Derivado de um estudo de 1937, MEL foi mais notável por sugerir que a percepção do passo relativo humano não era precisa a partir de um valor numeral Hertz).

As bandas podem ser sintonizadas para outras frequências, se desejado. Da mesma forma, não há nenhuma exigência de utilizar todas as 26 bandas. Tão poucas como uma banda podem ser activadas (mas fazê-lo desviaria algumas das potentes potências de processamento do Elevate).

 

 

Quando o Ganho Adaptativo é activado, o utilizador estabelece um intervalo de 0 a 12 dB relativo à distância que cada uma das 26 bandas pode desviar-se uma da outra. A Velocidade Adaptativa permite ao Elevate adaptar os valores de ataque e libertação de cada banda individualmente, em resposta ao material de origem.

Os resultados fornecem menos artefactos e bombagem do que ajustes de ganho semelhantes conseguiriam com um limitador padrão. Mais importante, o Elevate tem menos probabilidades de re-equipar uma mistura.

Em utilização experimental descobri que o Elevate evita melhor os artefactos do que qualquer limitador multibandas que alguma vez experimentei, especialmente ao empurrar para níveis máximos.

O plugin utiliza bancos de filtros auditivos para dividir o material de origem em bandas críticas da audição humana. Algoritmos adaptativos adaptam o processamento por banda, em vez de fazer com que todos caibam nos mesmos limites.

 

 

 

Conclusão sobre o Elevate

Neste momento pode ficar a pensar: no preciso momento que se desenha uma trégua na Loudness War, surge outro plugin concebido para fazer com que as misturas soem ainda mais altas?

Contudo, o Elevate é uma ferramenta de masterização verdadeiramente útil e surpreendentemente versátil que pode ser usada para controlar tanto o carácter tonal como a sonoridade.

Disponível em todos os formatos de plugin habituais e autorizado utilizando uma conta iLok, o Elevate combina um EQ multibanda e um limitador de masterização multibanda com um melhoramento transitório multibanda e uma fase final de recorte, que se destina a permitir o aumento do ruído, minimizando ao mesmo tempo artefactos indesejáveis, tais como bombos, distorção fatigante ou falta de dinâmica percebida.

Muitos limitadores digitais e conjuntos de masterização prometeram um desempenho pioneiro. Em última análise, existem apenas algumas formas de melhorar as coisas. Basicamente podem desenvolver uma forma criativa de aplicar os algoritmos existentes ou desenvolver métodos originais.

Nos piores exemplos, as marcas de hardware e software musical investem em revisões gráficas para o mesmo código encontrado em outros produtos. Mas o Elevate combina magistralmente teorias existentes (escala MEL, ajustes transientes pós-compressão, clipping digital) com rotinas adaptativas proprietárias, sendo por isso uma ferramenta profissional que proporciona resultados suaves e naturais que recomendo vivamente.

 

 

 

 

 

 

POSTS RELACIONADOS

Share this article

Leave a comment

Your email address will not be published.