Home / Folk /

Pete Seeger: quase 95 anos dedicados à música de intervenção

Pete Seeger: quase 95 anos dedicados à música de intervenção

 

Em Portugal, a música de intervenção está impreterivelmente ligada a abril e ao período que antecedeu a revolução. Mas o fenómeno não é exclusivamente português, muito pelo contrário. Neste artigo, falamos-lhe de Pete Seeger, um dos pioneiros da música de protesto que, através do folk, deu voz a causas políticas e sociais. Afinal, quem não se lembra de Turn, Turn Turn ou de  Little Boxes, de Malvina Reynolds, na versão deste músico ativista?

Homem de causas num mundo que ainda não era globalizado, Pete Seeger nasceu a 3 de maio de 1919, na cidade de Nova Iorque. O pai era professor na Universidade da Califórnia; a mãe dava aulas de violino na prestigiada Julliard School. Como Pete, também os irmãos viriam a se tornar artistas: o irmão foi membro dos New Lost City Ramblers e a irmã tocou com Ewan MAcColl.

Em 28 de janeiro 2014, um dia após a morte do cantor, o The Guardian escreveu: “Seeger nasceu num meio privilegiado, mas não convencional”. A frase não podia ter sido melhor escolhida, já que a infância e a juventude de Pete foram marcadas por uma grande abertura a ideias de liberdade, paz e intervenção política.

Depois de estudar no internato de Avon Old Farms, onde tocava para os colegas, o artista precoce entrou na Universidade de Harvard. Estávamos então em 1936, altura em que conseguira uma bolsa de estudo que acabou por perder por chumbar num exame.

Como resultado, Pete Seeger deixou os estudos para levar uma vida errante: até ao final dos anos 30, andou à boleia pelos Estados Unidos da América, até que em 1940 decidiu reunir um quarteto de músicos, chamado os Almanac Singers.

Pete Seeger: uma carreira controversa desde o início

Com a chegada da II Guerra Mundial, Seeger foi para o exército. Em 1943, casou com Toshi Aline Ohta, uma cineasta e ativista do ambiente, com quem viria a partilhar não só o matrimónio, como várias causas políticas e ambientais.

A carreira musical começou com o fim da guerra. Em 1945, Seeger ajudou a criar a Sing Out! Magazine e começou a destacar-se pelas atuações a solo. Três anos depois, fundavam-se os The Weavers, banda pelo qual se tornaria conhecido. Começava assim uma década de sucessos, mas com algumas interrupções.

Após a gravação de sucessos como If I Had a Hammer e da participação no musical Disc Jockey, o grupo passou por um hiato de 3 anos, entre 1952 e 1955.

A interrupção foi o resultado de muita especulação sobre a ideologia política de Seeger, especulação essa que fez com que os Weavers fossem classificados como uma “banda comunista“. As palavras foram de Harvey Matusow, um informante do FBI que mais tarde acabou por retirar aquilo que disse.

Apesar de tudo, o caso acabou em tribunal e Seeger foi mesmo condenado por desacato ao Congresso. Num período em que o aparato era muito e a publicidade não era a mais positiva, o músico continuou sempre a tocar, mas desta vez em nome individual. Graças aos problemas, os The Weavers acabaram por anunciar o fim oficial da banda no ano de 1962.

Uma vez a solo, Pete Seeger criou temas icónicos que se tornaram em verdadeiras canções de intervenção. Falamos, por exemplo, de Where Have All the Flowers Gone e Turn, Turn, Turn. Ouçamos esta última numa versão ao vivo com Judy Collins.

 

 

Pete Seeger: homem de causas até ao fim

Pete Seeger foi homem de muitas causas. Entre elas destaca-se a oposição à Guerra do Vietname com o ataque satírico ao presidente Johnson no disco, de 1966, chamado Dangerous Songs!?.

Por volta da mesma altura, o artista associou-se a Malvina Reynols para apoiar o ambiente. Com um lado crítico sobre a sociedade e tocando questões como o nacionalismo, God Bless the Grass foi o primeiro álbum onde todas as canções são dedicadas ao ambientalismo.

Anos mais tarde, Pete Seeger seria uma das principais vozes no combate à poluição do rio Hudson, fundando a associação Hudson River Sloop Clearwater e o Clearwater Festival.

Para a história fica também um protesto com 500 mil manifestantes que, liderados por Seeger, entraram na Casa Branca a cantar Give Peace a Chance. Estávamos então no dia 15 de novembro de 1969 e o objetivo era chamar novamente a atenção para a Guerra do Vietname. No documentário The Power of the Song, de 2007, Seeger revelou que ele e a sua família chegaram a visitar o Vietname do Norte no ano de 1972.

Em 1982, o artista folk participou num evento de apoio à resistência Polaca. Segundo David Dunaway, biógrafo de Pete Seeger, esta foi a primeira manifestação em longos anos de vida contra o comunismo de modelo soviético. O músico criticou o lado violento da revolução, salientando posteriormente que as mudanças que prevalecem são as que ocorrem em tempo de paz.

Pete Seeger manteve-se ativo até ao fim dos seus dias. Anos antes de morrer, o músico continuava a apoiar causas como o desarmamento, igualdade de direitos e consciência ambiental. Em 2008, participou na celebração inaugural de 2008 da presidência de Barack Obama.

Tomorrow’s Children, de 2010, é um dos últimos trabalhos do artista. O disco fala sobre questões ambientais e destina-se a crianças. O objetivo é criar uma consciência sustentável através da música. O álbum valeu o quarto Grammy da carreira do cantor e ativista.

Peter Seeger faleceu a 27 de janeiro de 2014. Estava a menos de dois meses de completar o 95.º aniversário.

   

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *