Home / Concertos /

NOS PRIMAVERA SOUND (DIA 2): O rock não é para meninos

NOS Primavera Sound

NOS PRIMAVERA SOUND (DIA 2): O rock não é para meninos

Mídia Kit Blog Mundo de Músicas
 

Pára tudo! Apesar de ser num festival, onde as bandas tocam cerca de 50 minutos, uma hora, os Swans, mesmo não sendo cabeças-de-cartaz, que habitualmente tocam mais do que os outros, estiveram duas horas (duas!) em palco. Meus caros, o rock não é para meninos. E mais não digo!

Por falar em rock, o segundo dia da sexta edição do NOS Primavera Sound da Invicta não defraudou, em especial depois do deserto rockeiro do dia de abertura, e houve concertos de excelente nível.

Começou com os Pond, ainda o Sol se mostrava impiedoso, passou pelos Swans, que são uns senhores (e trouxeram álbum novo!) e fechou em beleza com o rock salpicado de psicadelismo dos King Gizzard & The Lizard Wizard.

Bem, três guitarras e duas baterias, a que se juntam um baixo e os teclados, só por si já fazem estrago, mas a intensidade dos australianos é arrasadora.

«Rattlesnake» abriu as hostilidades e deu o mote para uma hora de rock desbragado, a que o público correspondeu ao nível da banda. Mosh, crowdsurfing e muita agitação entre os milhares que se concentraram em frente ao Palco e que, no final, ficaram com a sensação de que alguém tinha adiantado o relógio tão rápido que o momento (se) passou.

Felizes os que escolheram começar pelos King Gizzard & The Lizard Wizard e não pelo concerto de Nicolas Jaar, pois ambos arrancaram à 1h00, mas como o norte-americano tocou mais meia-hora, a escolha foi a mais acertada, pois deu para ver dos dois concertos. Um festival não é apenas o que se vê, mas muito também do que não se viu! Faz parte e assim é que tem que ser.

Nicolas Jaar, na meia-hora que este vosso escriba viu, proporcionou um espectáculo de luz e cor e electrónica da melhor, deixando outros tantos milhares extasiados, mas perplexos no final com a saída do músico de palco. Bem, de alguma forma, deixou-os pendurados.

Bem, mas duas horas não é para todos, chega-se lá com muitos anos e muita música na estrada… Pois, os Swans, os decanos desta edição de NOS Primavera Sound Porto que voltaram a mostrar toda a sua mestria sonora. Escuridão, negritude e intensidade q.b. ou para lá disso… Um deleite sónico!

NOS Primavera Sound: as bandas que se prolongaram pela noite

O segundo dia revelou uma maior e previsível enchente, tornando-se o espaço, a espaços, algo limitado. Está muita gente e está bem, pois risos, sorrisos e muita gargalhada não faltam no idílico Parque da Cidade do Porto.

 

E se outras coisas passaram pelos palcos com actuações, mais ou menos, entusiasmantes, como Angel Olsen, Hamilton Leithauser, Bon Iver ou, mais tarde para a festa dançante, Richie Hawtin, ainda falta falar do concerto: Sleaford Mods.

Sleaford Mods é qualquer coisa de inquietante e siderante. O fascínio deste escriba pela sonoridade do duo inglês é ilimitado. Dois gajos num palco despido de artefactos, um computador e um microfone. Um bebe cerveja, abana-se e dispara os temas no computador; o outro dispara palavra como ninguém, meneia-se como ninguém e é incisivo.

Ouviram-se muitos “England is dead” e “Fuck off England” da boca de Jason Williamson, enquanto Andrew Fearn bebia mais um gole de cerveja.

Delicioso e intenso, pois musicalmente é electrónica exigente.

“Army nights” lançou a faísca que incendiou um pasto de temas como “Britain thirst”, “TCR”, “Jolly fucker”, “Jobseeker” e se apagou com “Tweet Tweet Tweet”.

Os mais voluntariosos deixaram-se ficar para a festa mais electrónico-dançante. Nós fomos descansar, porque ainda não acabou!

VEJA AS FOTOGRAFIAS DOS 2.º DIA DO NOS PRIMAVERA SOUND

  

VEJA AINDA:

NOS PRIMAVERA SOUND (dia 1): A festa dos Justice em dia de Rodrigo Leão e Arab Strap

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
   

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *