Home / Concertos /

Vodafone Paredes de Coura 2018 (dia 3): A viagem no rasto da morte e a tortura

Vodafone Paredes de Coura 2018 (dia 3): A viagem no rasto da morte e a tortura

Mídia Kit Blog Mundo de Músicas
 

Findo o terceiro dia da edição 26 do Vodafone Paredes de Coura este escriba foi assaltado por uma dúvida, mas só o futuro a poderá dissipar. Mas disso falaremos mais à frente, porque conversemos agora sobre o que de bom aconteceu.

Segura e, de certa forma, esperada foi a viagem com os Slowdive, daquelas bandas que é um gosto e um privilégio ouvir no anfiteatro natural de Coura. Foi, uma vez mais, verdadeira levitação espiritual em que as vozes e as guitarras têm o condão de dar ênfase a uma sonoridade que é, definitivamente, muito bela.

Do novo álbum, o primeiro em 22 anos, o epónimo «Slowdive» (2017), ouviram-se uns quantos temas, mas também de outros discos mais antigos, ainda sempre tão frescos, saíram temas para preencher um concerto que mais pareceu uma ode à beleza.

É uma viagem que se faz sempre com enorme prazer, especialmente, no pastoril recinto do festival.

 

Slowdive

 

Quando os Slowdive libertaram os primeiros acordes no Palco Vodafone, acabava no «FM» o poderoso concerto dos… And You Will Know Us By The Trail of Dead.

O rasto de morte dá-os, de facto, a conhecer e neste regresso a Coura os nova-iorquinos voltaram a mostrar do que são feitos. Guitarras endiabradas, como que a fugirem da morte, num rebuliço constante que, obviamente, contagia o público.

Catarse sonora que sabe sempre tão bem por estes dias.

 

…And You Will Know Us By The Trail Of Dead

 

Pelo palco principal haviam passado também Kevin Morby, que para a hora, foi agradável e também os DIIV, que se experimentaram muito bem, com um concerto consistente e competente. Foram, sem dúvida, das coisas boas que se ouviram no terceiro dia do festival.

Bem, depois a coisa descambou. Reconheço que o hip-hop não é música que me assiste e menos ainda da variante grime, pelos vistos o que Skepta levou até ao Taboão.

Meus amigos, foi uma verdadeira tortura. Porém, em abono da verdade, diga-se que a enorme massa de festivaleiros mais jovens, e que cresce de ano para ano, fizeram a festa total, dançando, saltando, cantando. Vislumbrou-se, inclusive, mosh!

 

Skepta

 

 

Agora, um indivíduo que canta palavras de ordem contra a autoridade e a norma e tenta passar uma imagem de duro contra o sistema não deve, não pode ser um queixinhas. A determinada altura, Skepta parou a actuação para que a organização pedisse aos fãs que parassem de mandar coisas para o palco. Pazes feitas e a festa continuou.

A celebração aconteceu e foi intensa, mas para quem vai a Coura para ouvir rock e derivados não muito afastados foi difícil.

E mais difícil se tornou quando a espera era para observar as Pussy Riot e a coisa piorou.

É louvável o activismo sócio-político, mas a intervenção merecia alguma qualidade musical e até performativa. Houve, sim, logo a abrir uma extensíssima lista de reivindicações, 25 para ser exacto, um («dick») deejay a debitar batidas e sons para as rimas da pussy que escapou à prisão e ainda mais três bailarinas que surgiam em palco para incitar, não à revolta, mas à dança.

Que musicalmente a coisa é fraquinha, já se sabia, mas sem uma presença como as que as notabilizou nas intervenções que fazem na Rússia, com guitarras e muita agitação, a coisa não pega mesmo.

 

Pussy Riot

 

Só restava mesmo ir descansar e, pelo rasto da morte, seguir viagem até casa.

Antes, nota ainda para os vimaranenses Smartini que abriram o Palco Vodafone.FM com um concerto consistente e à imagem do que já habituaram quem os conhece. Fazem parte de uma juventude sónica que não se pode perder de vista!

Já quanto à dúvida com que abri esta prosa, ela é muito simples e clara e, na conferência de Imprensa com o director do festival, João Carvalho, este vosso escriba tentou dissipa-la, questionando: “Corremos o risco de dentro de alguns anos Paredes de Coura ser um festival de hip-hop, com o rock em dose residual?”.

A resposta foi algo dúbia, pelo que, como disse a abrir, só o futuro a dissipará em definitivo.

 

Smartini

Fotos: Sofia Salgado Mota e Hugo Lima

 

CONFIRA TAMBÉM O POST RELACIONADO:

Vodafone Paredes de Coura: Há um quarto de século a fazer pessoas felizes

Vodafone Paredes de Coura 2018 (dia 1): O chão que pisas sou eu!

Vodafone Paredes de Coura 2018 (dia 2): As luzes, o mistério e a piscina

CARTAZ VODAFONE PAREDES DE COURA 2018

 

CONFIRA BILHETES VODAFONE PAREDES DE COURA 2018

FÃ PACK FNAC VODAFONE PAREDES DE COURA 2018

TICKETEA

VIAGOGO

STUBHUB

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
AdobeStock
 

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *