Home / Histórias de Bastidores /

“Polícia pára quem precisa de polícia”, os Titãs e a minha culpa

“Polícia pára quem precisa de polícia”, os Titãs e a minha culpa

 

Naquele dia 6 de Setembro de 1999 cometi uma desmedida violação ética. Poderia me tentar justificar com os constrangimentos da produção jornalística, a problemática relação entre jornalistas e fontes, a inatingível objectividade, a ténue fronteira entre espaço privado e público, até o empolgamento de quem faz a cobertura de um festival de música com os índices de emoção ao rubro. Nada iria atenuar o crime.

O título da crónica – e de uma das músicas dos Titãs – “Polícia pára quem precisa de polícia”, já indiciava o pior dos sensacionalismos, mas quando um colega de profissão brasileiro, o meu querido Martinho Santafé, criticou a abordagem, essencialmente a frase “cheiram muito e estão cada vez mais fora de órbita”, limitei-me a responder: “eles sabiam que sou jornalista”.

Na altura, duplo pecado, não me toquei, e só mais tarde, na redação do Jornal de Notícias, quando o correspondente europeu da revista Bizz telefonou para me entrevistar sobre o assunto é que percebi a dimensão do erro. Porque, no caso concreto, me limitei a acreditar na aparência e na palavra de uma das pessoas que acompanhavam a banda para levantar falsos ou não confirmados testemunhos.

O fato de Nando Reis estar “completamente alucinado ao ponto de trocar a mão com o rissol pela que tinha o isqueiro que enfiou na boca”, ou de Paulo Miklos “beijar toda a gente, especialmente homens” – quando na verdade só deu um beijo carinhoso no rosto de um amigo que lhe apresentei – não pode ser transformado num texto satírico que realça o comportamento de “um verdadeiro bando de loucos brasileiros em encontro alucinado com o JN em Vilar de Mouros”.

Quando, no final desse ano, vi o título “Titãs, a difamação internacional”, na primeira página da revista, fiquei revoltado comigo mesmo, achei que não era digno de ter um instrumento nas mãos que permite a qualquer um escrever o que lhe passa pela cabeça. Culpei-me, envergonhei-me, “Deus queira que me perdoem”. Traí a confiança de músicos que admirava, que tinham influenciado o meu comportamento com a sua música visceral, impositiva; que me fizeram cantar quase em devoção “a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte”. Quando Marcelo Fromer foi atropelado mortalmente por uma mota, chorei. Chorei de saudade, de mágoa, de dor por nunca lhe ter pedido perdão.

   

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *