Home / Lendas da Música /

The Beatles: os “alemães” que não falavam nada mal inglês

The Beatles: os “alemães” que não falavam nada mal inglês

 

Os The Beatles são os Fab Four de Liverpool, que abriram caminho à invasão musical britânica dos Estados Unidos e a banda que revolucionou a cena pop-rock mundial. No entanto, como qualquer banda, houve um percurso até ao estrelato. Neste artigo, contamos os primeiros passos do quarteto que, inicialmente, até era um quinteto.

No final da década de 50, o rock n’ roll era um fenómeno praticamente exclusivo dos Estados Unidos da América, no que a produção musical diz respeito. Os nomes maiores do rock eram americanos – Elvis Presley, Chuck Berry, Buddy Holly e Little Richard. Vivíamos também numa época em que os artistas eram sobretudo perfomers, na medida em que havia uma clara distinção entre compositores e cantores.

Na Europa, a cidade portuária de Hamburgo, no norte da Alemanha, funcionava como uma espécie de Las Vegas, com atividades ligadas ao jogo e com necessidade de ambiente festivo contínuo. É aqui que surgem os The Beatles. A menção ao facto de Hamburgo ser uma cidade portuária não é inócua, pois facilitou o contacto com uma cidade inglesa nas mesmas condições – Liverpool – e não recorrer à óbvia escolha da capital londrina para iniciar a carreira.

Os The Beatles, que eram constituídos na altura por cinco elementos (Paul McCartney, John Lennon, George Harrison, Pete Best e Stu Sutcliffe) foram contratados para tocar em diversos locais em Hamburgo, onde atuavam seis vezes ao dia. Estamos a falar do final da década de 50 e o seu repertório ainda não incluía originais. Tocavam maioritariamente êxitos americanos da época, de artistas e bandas como Carl Perkins, The Shirelles, Ray Charles, Elvis, entre outros. Tocar seis horas por dia e com um reportório composto em 95% por temas de origem americana, fizeram com que os The Beatles passassem a dominar não só a arte de tocar ao vivo como perceber a arte da composição pop do além-Atlântico.

The Beatles: desde o clube mítico de Liverpool para as lojas de mobiliário

De regresso ao Reino Unido, os The Beatles passaram a atuar regularmente no Cavern Club, de Liverpool. Entre 1961 e 1963, perfizeram um total de 292 concertos, até assinarem com Brian Epstein e dominarem o mundo.

the-beatlesNo entanto, nas suas primeiras atuações aconteceu um episódio curioso. As pessoas que foram ver as primeiras atuações sabiam que os Beatles vinham de tocar em Hamburgo. Porém, pensavam que eram originários dessa cidade. Não se recordavam que John Lennon já havia tocado no mesmo clube com a sua banda, The Quarrymen, nem que o mesmo se havia passado com a banda de Ringo Starr, Rory Storm and the Hurricanes. Muitos dos presentes, que hoje invejamos, comentaram que aqueles “alemães” safavam-se muito bem com o inglês!

 

Depressa se corrigiu o engano e hoje ninguém dissocia o Cavern Club dos Beatles. Brian Epstein viu nos jovens “alemães” um grande potencial e tornou-se o seu agente. Foi, aliás, a primeira banda que Epstein representou, uma vez que estava até então destinado a seguir as pisadas dos seus pais e tomar conta de uma rede de lojas de mobiliário.

As lojas dos pais de Epstein vendiam discos e foi assim que conseguiu gravar o primeiro single dos The Beatles. Abordou Dick Rowe, presidente da editora Decca, para gravar nos seus estúdios. Rowe não negou, devido à boa relação que mantinha com os pais de Epstein, mas marcou as sessões de gravação para o pior dia do ano, 1 de janeiro de 1962: o primeiro dia do ano que, normalmente, tinha os estúdios todos fechados. Epstein ainda tentou fazer com que os Beatles assinassem com a Decca, mas Rowe não aceitou, sob o argumento de que as bandas com guitarras estavam em declínio.

Quem aproveitou foi George Martin da EMI, que assinou com os The Beatles e os ligou a uma subsidiária da editora – a Parlophone. Em 1963, os Beatles lançaram os singles “Please Please Me”, “From Me To You”, “She Loves You” e “I Want To Hold Your Hand”, e a imprensa começa a falar em Beatlemania. Iniciava-se o reinado mundial destes “alemães” de Liverpool.


 

Share this article

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *