Home / Lendas da Música /

The Beach Boys: a nostalgia do surf que vai muito além das ondas

the beach boys

The Beach Boys: a nostalgia do surf que vai muito além das ondas

Mídia Kit Blog Mundo de Músicas
 

Criadores de músicas exuberantes e relembrados como uma das bandas mais inovadoras de todos os tempos, os The Beach Boys inventaram a música rock da Califórnia, a também conhecida música rock surf. As canções de Brian Wilson ainda hoje continuam a celebrar uma fantasia adolescente da West Coast norte-americana, repleta de raparigas surfistas, que pouco conseguem fazer para esconder os seus conflitos internos dos olhos do compositor. Ao longo da sua carreira Wilson orquestrou e produziu músicas tendo como base uma mistura ultra-suave de guitarras e harmonias vocais, criando um pop de assinatura tão reconhecido como qualquer outro na história do rock.

Mesmo que os The Beach Boys tenham conseguido fazer de um dos seus trabalhos mais tardios um hit mundial, com a música “Kokomo” (1988), e sobrevivido até o final da década de 1990, não há dúvida de que a época de ouro foi nos anos 60. Pelo caminho, a banda foi perdendo nomes como os irmãos Wilson (Brian, Dennis e Carl) e Al Jardine. Da constituição original, hoje só resta Mike Love e, por muito que o grupo se chame ainda The Beach Boys, sabemos que já não são os mesmos Beach Boys que deram fama ao grupo.

Os irmãos Brian, Carl e Dennis Wilson são sem dúvida uma peça-chave na história da banda. Encorajados pelos seus pais, Murray e Audree, a fazer música e em envolverem-se em atividades desportivas, os três rapazes não tardaram a demonstrar os seus talentos. Brian era um jogador de basebol, na equipa da escola Hawthorne High, quando começou a trabalhar seriamente na música. A sua primeira banda incluiu os irmãos Dennis e Carl (que foi expulso da escola Hawthorne por não ter pedido autorização para ir à casa de banho), o primo Mike Love e o amigo Al Jardine.

The Beach Boys: os primeiros surfistas e as primeiras ondas

Nos primeiros meses, o grupo começou por apresentar a sua música em eventos locais. O grupo familiar tentava encontrar as melhores letras possíveis, mesmo não sendo uma tarefa totalmente fácil. Por sugestão de Dennis, consta-se que Love e Brian escreveram a música “Surfin”, que se tornou um sucesso regional a dezembro de 1961. Como a maioria de suas músicas iniciais, “Surfin” fazia uso da guitarra de Chuck Berry com melodias vocais (arranjadas por Brian), lembrando os grupos pop dos anos 50, como os Four Freshmen.

Murray Wilson, que se soube mais tarde ter sido psicológica e fisicamente abusivo com os seus filhos, conseguiu no entanto fazer com que os três rapazes formassem uma banda e assinassem um contrato com a editora Capitol. Daí em diante os sucessos começam sem indicação de abrandar: “Surfin ‘Safari” (atinge a posiçção 14 nas tabelas, 1962); “Surfin” U.S.A. “ (número 3, 1963), mesmo não passando de uma cópia de “Sweet Little Sixteen” de Berry com novas letras; e “Surfer Girl” (número 7, 1963), que lançou e capitalizou a moda da música de surf.

“Surfer Girl” marcou a estreia de Brian Wilson como produtor, com as suas harmonias vocais complexas e acordes pop sofisticados. Um admirador do produtor Phil Spector, Brian continuaria a refinar as suas habilidades para se tornar num dos maiores produtores de discos de rock de sempre.

Os anos 1963-1965 estabeleceram o legado dos The Beach Boys: “Little Deuce Coupe” (número 15, 1963), “Be True to your School” (número 6, 1963) e “Fun, fun, fun” (número 5, 1964), escrito por Brian e Love num táxi para o aeroporto de Salt Lake City; ainda “I Get Around” (número 1, 1964).

Seguem-se ainda “Dance, dance, dance” (número 8, 1964); “Help me, Rhonda” (número 1, 1965); “California Girls” (número 3, 1965); E baladas como “In My Room” (Número 23, 1963) e “Do not Worry, Baby” (Número 24, 1964). No início de 1965, Brian Wilson sofre uma crise nervosa e decide abandonar a tour, embora continuasse a escrever, gravar e produzir.

The Beach Boys: na crista da onda

Em 1966 chega às lojas o álbum Pet Sounds, um álbum icónico que nos trouxe hits como”Caroline, No”, “Would not It Be Nice” e “God Only Knows”. Ainda assim, mesmo que tenha alcançado o top 10 nas vendas, surpreendentemente o álbum vendeu mal comparativamente a anteriores. Só para terem uma noção, Pet Sounds só foi certificado de ouro no 30º aniversário do seu lançamento, em 1996. No entanto, não deixa de ser um dos trabalhos mais importantes da obra dos The Beach Boys, pois inaugura a era de experimentação de estúdio, anterior à Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band dos The Beatles. Com o passar do tempo, a importância da Pet Sounds só cresceu e o contributo que este trabalho deu ao mundo da música tornou-se mais reconhecido. O produtor dos Beatles, George Martin, reconheceu que foi a inspiração para o Sgt. Pepper’s.

O destaque do período psicadélico dos The Beach Boys foi lançado com “Good Vibrations”, do álbum Wild Honey, uma das obras-primas mais emblemáticas da produção de Wilson. O álbum levou cerca de seis meses a produzir e custou cerca de 16 mil dólares, integrando várias seções distintas e instrumentos exóticos como a harpa de judeus, sinos de trenó, cravo e teremin.

A partir de 1970 e durante os 18 anos que se seguiram, os The Beach Boys lançaram os seus trabalhos com o seu próprio rótulo Brother, uma marca personalizada da Warner/Reprise. O primeiro álbum no âmbito deste acordo, Sunflower, significou também uma pausa de cinco anos para Brian.

Em 1972, os The Beach Boys decidiram gravar na Holanda mas, depois de para lá se mudarem com as suas famílias, perceberam que não havia instalações de estúdio adequadas. Por essa razão, adaptam um velho celeiro para criar um estúdio improvisado onde, durante mais de seis meses, gravam o seu novo trabalho.

The Beach Boys: em maré baixa

Em 1977, confrontos entre Dennis Wilson e Mike Love comprometem o futuro da banda à medida que trocavam rótulos e se mudaram para a CBS. Eventualmente, os irmãos de Love, Stan e Steve, deixaram o cargo que ocupavam na banda, como gestores dos The Beach Boys. Steve Love foi mais tarde condenado pelo desvio de cerca de 1 milhão de dólares do grupo.

A popularidade do grupo no final da década de 1970 não era a melhor. Nem o álbum M.I.U. (1978) nem L.A. (1979) figuraram bons resultados nas tabelas de venda. Entretanto, a década de 1980 provou ser uma década ainda mais tumultuada para o grupo. Carl Wilson desistiu da banda em 1981, para se concentrar na sua carreira solo. Ele, mais do que os outros, parecia resistir ao apelo cada vez mais nostálgico da banda.

Mas após regressar no ano seguinte, os  The Beach Boys continuam a trabalhar, mesmo que a ideia associada a eles se consolidasse entre o público: uma banda de oldies-but-goodies (velhos mas bons), embora extraordinariamente bem-sucedidos. O ano de 1983 marca, finalmente, o regresso de Brian ao palco com o grupo – recordamos que o artista não participava em concertos desde 1965 -, mas este ano é também marcado pela morte de Dennis. A 28 de dezembro, o baterista afogou-se enquanto nadava em Marina Del Rey, Califórnia. Com a ajuda do presidente Ronald Reagan, foi concedida uma permissão especial para que o corpo de Dennis pudesse ser enterrado no mar.

 

A partir de 1993, Brian – que entretanto tinha também lançado um álbum a solo – era um Beach Boy novamente. No entanto, as intrigas e desentendimentos dentro do grupo não param. Mais tarde, Mike Love processa Brian, o seu colega Todd Gold e Landy, alegando que tinha sido difamado na autobiografia de Wilson, Wouldn’t It Be Nice?: My Own Story. O caso foi resolvido fora do tribunal no início de 1994. Em 1995, Brian e Love estabelecem ainda uma longa disputa legal sobre o crédito de composição e os direitos de autor de músicas de Love. No final, Wilson acabou por pagar a Love 5 milhões de dólares e Love passou a ser creditado por músicas como “Wouldn’t It Be Nice” e “California Girls”.

Até então, ele se mudou para Illinois, e em uma série de entrevistas francas deu a impressão de alguém feliz e confortável, finalmente. “Minha música não vai salvar o mundo”, disse ele quando a Imagination foi lançada. “Mas eu acho que vai salvar almas, certas pessoas no mundo. Isso me agrada para ser capaz de fazer isso. Isso é bom”. Ele começou a turnê em 1999. Para sua turnê de 2000, ele interpretou Pet Sounds acompanhado por uma orquestra sinfônica; Um álbum ao vivo foi lançado dessa turnê em 2001. Em junho de 2000, Brian foi induzido no Hall of Fame dos Songwriters. Em 2001, ele e Pet Sounds foram os receptores de uma homenagem assombrada (com os convidados Elton John, Paul Simon e Billy Joel, entre outros), televisionados pela TNT.

Ironicamente, como Brian Wilson parecia estar voltando para o seu próprio, os The Beach Boys aguardavam talvez os momentos mais difíceis de sua longa carreira. Em 1997, Carl Wilson foi diagnosticado com cancro de pulmão, que mais tarde evoluiu para cancro de cérebro. Ele continuou a fazer uma tour com o grupo, conforme a sua saúde o permitia, mesmo que atuasse numa cadeira. No entanto, no outono de 1997, reformou-se (substituído por David Marks, um membro original que abandonou o grupo em 1963). Carl morreu em 6 de fevereiro de 1998, em L.A., aos 51 anos.

The Beach Boys: o que resta dos surfistas hoje?

Pouco depois da morte de Carl, Al Jardine saiu do grupo, deixando apenas Love, Johnston e Marks (que, ironicamente, tinha sido substituído por Al Jardine em 1964). O trio visitou os melhores êxitos dos The Beach Boys, com músicos adicionados, enquanto Jardine surgiu com a banda Beach Boys Family and Friends, que incluiu dois dos seus filhos e Carnie e Wendy Wilson.

Claro está que Love e Jardine se gladiaram amargamente na imprensa e no tribunal, mas grande parte deste conflito foi ofuscado por uma celebração contínua do legado dos The Beach Boys, no documentário The Beach Boys: Endless Harmony, da VH1.

A 20 de fevereiro de 2004, Brian Wilson chocou o mundo da música quando realizou o seu lendário álbum SMiLE na sua totalidade, no Royal Festival Hall, em Londres. Em setembro, lançou uma nova gravação de estúdio de SMiLE, que apresentou um notável “Good Vibrations”, com as letras que Mike Love escreveu para a versão de sucesso de 1966 da música, substituída por letras demo originais de Tony Asher.

O SmiLE de Wilson, gravado com membros de sua banda, foi aclamado pela crítica e valeu-lhe o seu primeiro Prémio Grammy, ironicamente para o melhor instrumental do rock, para a música SMILE “Cow’s Fire (Fire) da Sra. O’Leary”. Em 2005, lançou uma versão de dois DVDs do SMiLE que incluiu uma apresentação documental e ao vivo do álbum.

Também naquele ano, Love processou Wilson novamente, desta vez por “se apropriar indevidamente” das canções, da semelhança e da marca The Beach Boys durante a promoção de SMiLE. Antes de um juiz ter julgado o processo, Love, Wilson, Jardine, Johnson e Marks apareceram juntos no prédio da Capitol Records para celebrar o 40.º aniversário da Pet Sounds.

Wilson também comemorou o aniversário com um concerto no Royce Hall da UCLA em Los Angeles e foi apoiado por uma banda de 12 membros que incluiu Jardine. No final de 2007, Wilson estreou um novo ciclo de canções, That Lucky Old Sun (A Narrative), baseado num antigo espiritual afro-americano e agendou uma série de concertos na Austrália, que ocuparam a sua agenda até ao início de 2008. Entretanto, Love e Johnson continuam a fazer tours como os The Beach Boys.

Os The Beach Boys continuam a ter o recorde da Billboard / Nielsen SoundScan da banda americana com mais álbuns e singles vendidos, além de serem o grupo americano com mais êxitos no Billboard Top 40, mais precisamente 36. “Good Vibrations” foi incluída no Grammy Hall of Fame em 1994. “Sounds of Summer: The Very Best Of The Beach Boys” atingiu tripla platina e “The SMiLE Sessions”, lançado com grande aclamação crítica em 2011, foi eleita a Melhor Reedição do Ano pela Rolling Stone e conquistou um Grammy Award para Melhor Álbum Histórico.

The Beach Boys: Sunshine Tomorrow

Os The Beach Boys supervisionaram pessoalmente o processo criativo para um novo duplo CD, “1967 – Sunshine Tomorrow”, que será lançado mundialmente a 30 de junho, ficando também disponível em formato digital.

“1967 – Sunshine Tomorrow” conta com a nova e inédita mistura em stereo do álbum “Wild Honey”, de 1967, pelos produtores Mark Linett e Alan Boyd, e abre também o arquivo dos The Beach Boys, estreando 54 raridades de 1967, precisamente 50 anos depois de terem sido gravadas. Algumas gravações inéditas desta coletânea incluem o álbum ao vivo do grupo, “Lei’d in Hawaii”, que na altura foi arquivado, gravações das sessões de estúdio de “Wild Honey” e “Smiley Smile”, e várias gravações de concertos entre 1967 e 1970. A nova mistura em stereo de “Wild Honey” será também lançada em vinil de 180 gramas, numa edição comemorativa do 50.º aniversário, a 30 de junho.

“1967 – Sunshine Tomorrow” mergulha num capítulo fascinante e frenético do arco criativo inovador dos The Beach Boys, explorando um ano dinâmico para a banda em estúdio e em digressão. A última sessão de estúdio para o então arquivado álbum “SMiLE” teve lugar a 18 de maio de 1967, com as sessões para o álbum “Smiley Smile” marcadas para o novo estúdio caseiro de Brian Wilson, entre 3 de junho e até o fim de julho. Os 12.º e 13.º álbuns de estúdio da banda foram lançados com uma pausa de três meses entre eles, de forma a abranger todo o trabalho feito em estúdio: “Smiley Smile” saiu a 18 de setembro, tendo-se seguido “Wild Honey” a 18 de dezembro.

“Queria ter um ambiente caseiro que permitisse que gravássemos na minha casa”, recorda Brian Wilson no texto que acompanha “1967 – Sunshine Tomorrow”. “Queria tentar algo diferente, algo novo. Produzi o ‘Smiley Smile’, mas o Mike inspirou-me. Ele disse-me: ‘Brian, vamos fazer um álbum bom e descontraído’. Tivemos um engenheiro de som que converteu a minha arrecadação num estúdio.”

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
   

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *