Home / Histórias de Bastidores /

Saul Davies e uma faca ensanguentada nos discos dos James

Saul Davies e uma faca ensanguentada nos discos dos James

 

Fiquei amigo do guitarrista e violinista dos James e fui descobrindo um Saulzinho franzino e irrequieto, que se sentia um ‘alien’ em Portugal.

Contou-me que a sua vida ficou marcada pelo facto dos pais terem sido professores de crianças deficientes, por ter habitado “em estranhos edifícios com loucos e convivido com um irmão adoptivo preto e outro com problemas mentais. Íamos para a escola com roupas coloridas, a cheirar a bosta e com o cabelo, que nunca tinha sido cortado, a cair até ao rabo”. Já tocava mas só pensava em desistir “porque queria ser jogador de futebol e não um violinista com ar de homosexual”.

Disse-me que “era o melhor músico, o capitão da equipa, o que ganhava as corridas de atletismo e o que comia as irmãs deles”. Tinha 16 anos quando o pai “desapareceu com outra mulher”, sobreviveu a tocar violino na rua e a morar com um grupo de prostitutas espanholas.

 

De repente, tudo mudou. Saul Davies foi convidado para os James, gravou Sit Down, trocou a bicicleta pela limusina, atingiu os tops de todo o Mundo. Uma vez disse-me que não foi por ter casado com a bela da Ana de Caminha e ficado a morar em Portugal que os James acabaram, mas porque “andávamos todos paranóicos com uma carta de uma japonesa que tinha uma foto com as capas dos nossos discos e uma faca ensanguentada por cima. Dizia que, se não lhe déssemos atenção, se suicidaria”.


   

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *