Home / Histórias de Bastidores /

Pete Doherty de ressaca embrulhado num cobertor de lã

Pete Doherty de ressaca embrulhado num cobertor de lã

 

Fui o único jornalista a entrar nos camarins dos Babyshambles num certo Festival de Paredes de Coura de boa memória, o Pete Doherty parecendo um pastor de ovelhas, coberto com uma manta castanha e um chapéu de abas largas, os olhos esbugalhados, a suar. Por causa da ressaca.

Ao confirmar-me que tinha vindo de comboio de Londres até ao Porto numa viagem que demorou 25 horas, deixando implícito que o tinha feito porque era mais fácil drogar-se do que no avião, senti que fazia parte de uma turma de paparazzis que não deixam o homem em paz. Na entrevista, de rara intimidade, confidenciou-me que acha os portugueses muito estranhos. E deu-me um exemplo: “Uma vez, em Lisboa, um fotógrafo andou horas atrás de mim. Às tantas, quando estava a negociar com um dealer, deixou de fotografar, aproximou-se e aconselhou-me: «Não faças isso. Vai embora daqui antes que morras ou te matem»”.

Perguntei-lhe como é que reagiu e a resposta, sincera, entre uma risada, deixou-me a matutar. “Mandei-o lixar. Parecia um pastor de igreja a querer salvar um pecador por opção”. Percebi que me contava aquilo porque eu tinha conquistado a sua confiança. Enganei-o. Eu estava a ser apenas mais um que faz parte de uma seita que anda atrás dos famosos para lhes dissecar a privacidade até ao tutano.

“Os jornalistas são um pesadelo”, disse-me, como se me confundisse com um fã. No dia seguinte lá estavam as suas intimidades escarrapachadas no Correio da Manhã, tim tim por tim tim, qual amizade qual quê, eu quis foi sacar-lhe umas coisas e dar ao nosso povo o que o nosso povo gosta: fofoca.

Gostava de assistir a concertos de Pete Doherty ao vivo? Clique no LINK para receber avisos quando o artista anunciar novos concertos!

   

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *