Home / Metal /

Motörhead: um percurso tortuoso, mas bem-sucedido

Motörhead: um percurso tortuoso, mas bem-sucedido

Mídia Kit Blog Mundo de Músicas
 

Nasceu com o nome de Ian Fraiser Kilmister, mas o mundo conhece-o como Lemmy Kilmister. Embora a afirmação que se segue possa não ser consensual, ninguém fica chocado se dissermos que o cantor foi, desde o início, a alma dos Motörhead.

Antes do grupo, o vocalista passou pelos Hawking como baixista, mas antes disso andara pelas estradas da América com o também roadie Jimi Hendrix. Do outro lado do Atlântico, dizem que podia ter sido brilhante ao lado dos Kind, mas a posse de drogas fez com que fosse expulso do grupo. De malas a bagagens, trouxe o brilhantismo para Inglaterra, onde decidiu formar o seu próprio grupo.

Assim nasceram os Motörhead, banda inicialmente composta por Pink Fairies, Larry Wallis e Lucas Fox. Dois meses após a formação, surge o primeiro contrato com a United Artists. Apesar da boa impressão inicial, a editora não gostou dos temas gravados e recusou-se a lançar o álbum que acabaria por nunca ver a luz do dia.

As más referências ditaram tempos difíceis e, durante muito tempo, os Motörhead não conseguiram nenhum contrato discográfico. Em simultâneo, os convites para concertos também começaram a escassear. Isto até que em 1997 tudo mudou.

Quer assistir a um concerto dos Motörhead? Clique no LINK para receber avisos quando a banda anunciar novo concerto!

Motörhead: um início lento e instável

É neste ano que o grupo, então reduzido a três (Lemmy, Pinky e Philty Animal – que tinha vindo ocupar o lugar de Lucas Fox) lançou finalmente Motörhead, um álbum homónimo que, não tendo sido extremamente bem-sucedido, fidelizou alguns fãs.

ace-of-spades-motorheadDepois da Chiswick Records deu-se uma nova mudança de editora. Desta vez com a Bronze Records, o grupo lançou Overkill, cuja maior façanha foi ficar no número 24 do top britânico. Apesar de ainda estarem longe do sucesso, este foi um importante passo para o lançamento de Bomber, disco com os qual subiram para um admirável 10.º lugar. Seguiu-se Ace of Spades, de 1980, capaz de atingir um excelente quarto lugar no Reino Unido, mas com pouca aceitação nos Estados Unidos.

Motivados pela progressiva ascensão, o grupo continuou a trabalhar: no ano de 1983 foi lançado Another Perfect Day, que contrariou a tendência positiva com uma queda para vigésimo lugar.

Durante os anos, os Motörhead foram sofrendo várias mudanças na sua formação e é com Pete Gill (antigo baterista dos Saxon) que gravam Killed By Death, de 1984. Mais tarde, dá-se um novo conflito editorial e a banda é impedida de publicar mais trabalhos pelo período de dois anos.

Regresso e começo de uma nova era

Findo o problema, os Motörhead lançam Orgasmatron com o qual voltam à ribalta com mais força do que nunca. Seguiu-se Rock N’ Roll, editado um ano depois, em 1987, e capaz de solidificar a posição enquanto estrelas rock e metal.

 

Nos anos 90, com a WTG, o grupo lança The Birthday Party, o seu primeiro trabalho dessa década. Ainda insatisfeitos, começam a pensar criar a sua própria editora. É com ela que nesse mesmo ano gravam Bastards. Por essa altura, podemos dizer que já estavam bastante bem encaminhados para ascender à categoria de lenda, posição atualmente mais do que sólida.

Ao longo dos anos 90, a banda manteve uma produção regular de discos onde continuou fiel às raízes rock e heavy metal. O ponto algo de consagração terá sido provavelmente o disco de 2000, We Are Motörhead, do qual foi extraído o single God Save the Queen.

Seguiu-se mais uma tour pelas grandes salas de espetáculos por todo o continente americano e mais tarde também pela Europa. De seguida lançaram em DVD um concerto Live at Brixton Academy e atuaram no evento mais importante da companhia WWE, a Wrestlemania.

Após uma longa carreira, os Motörhead conseguiram o seu primeiro Grammy em 2005, curiosamente com uma cover de Whiplash, dos Metallica, no disco Metallic Attack: The Ultimate Tribute.

Aniversário e sinais de cansaço

Em 2008, a banda volta  estúdio para gravar o 19.º álbum, Motörizer, que é lançado em agosto desse ano. O 20.º trabalho saía dois anos mais tarde e intitulava-se The Wörld Is Yours.

Por essa altura, a banda estava a celebrar o seu 35.º aniversário e preparava-se para uma tour inovadora onde aposta mais do que nunca na componente visual. A tournée deu origem a um DVD ao vivo e, nos entretantos, “choviam” mais prémios.

O ritmo frenético acabou por abalar a banda. Graças à carga de trabalho, Lemmy foi afetado como uma série de problemas, entre os quais uma condição cardíaca que o obrigava a descansar.

Depois de alguns anos parado, o grupo voltou em 2014 com apupos de aclamação. No início de 2015, a banda voltou a estúdio, regresso que culminou no seu último trabalho, o muito elogiado Bad Magic. O disco integra Electricity e Choking On Your Screams e uma cover de Sympathy For The Devil, original dos Rolling Stones.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
AdobeStock
 

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *