Home / Festivais de Música /

MIMO Festival Amarante: celebrar a música e cinema em português

Mimo Festival

MIMO Festival Amarante: celebrar a música e cinema em português

O MIMO Festival surgiu no interior das igrejas de Olinda, em 2004. O evento apresenta concertos de artistas de primeira grandeza, ao lado de uma programação paralela de cinema, em que a música é a protagonista.

Em 2017, e sempre sem perder de vista o elemento central do festival – a música – o MIMO Festival Amarante pisca a olho a várias outras manifestações artísticas e gosta de olhar a música a partir delas. É o que se passa com o Festival MIMO de Cinema.

Durante a edição deste ano, que acontece de 21 a 23 de Julho, são muitos os filmes que apresentam outros olhares sobre o mundo da música e dos músicos.

Num comunicado da organização sobre o evento, Rejane Zilles, directora do Festival MIMO de Cinema, explica a lógica da programação: “Procurei trazer a Amarante um panorama de filmes brasileiros com valor artístico evidente, que tiveram excelente repercussão no Brasil e que ainda não tinham sido lançados no circuito português.”

“Trata-se de uma selecção de obras que oferece ao público a rara oportunidade de as conhecer e, em alguns casos, de apreciar a história dos artistas na tela, fazendo sempre a ponte para a programação musical do MIMO”, acrescenta. “Como acontece, por exemplo, com o grupo Nação Zumbi no filme ‘Chico Science, Caranguejo Elétrico’; com Jards Macalé, retratado no  documentário ‘Jards’, de Eryk  Rocha, e na curta-metragem ‘Tira os óculos e recolhe o homem’!”

A curadora – e também cineasta – acrescenta que, no que diz respeito à oferta nacional, procurou “documentários sobre músicos e grupos com histórias interessantes, pontuados por trajectórias e estilos musicais bem distintos que, em comum, têm o carinho do público português”.

A partir deste “olhar luso-brasileiro” sobre o cinema, surgiram vários outros olhares e destaques… desde o filme sobre José Mário Branco a um outro sobre Celeste Rodrigues, sobre Vinicius de Moraes e Tim Maia… num total de 15 que poderão ser vistos – gratuitamente, como toda a programação do MIMO Festival Amarante – no Cinema Teixeira de Pascoaes e no Museu Amadeo de Souza-Cardoso.

O cartaz de filmes do MIMO

Mudar de Vida: José Mário Branco, Vida e Obra (documentário, PT)

Realizadores: Nelson Guerreiro e Pedro Fidalgo

Cinema Teixeira de Pascoaes: 21 Julho

O filme traça o longo percurso de criação e de combate político do músico, compositor, poeta e activista José Mário Branco, mostrando a importância dos seus ideais revolucionários na sua expressão artística. Voz singular no panorama português, foi um dos criadores da música de intervenção.

Tim Maia (ficção, BR)

Realizador: Mauro Lima

Museu Amadeo de Souza-Cardoso: 21 Julho

“Mais grave, mais agudo, mais eco, mais retorno, mais tudo!” O grito de guerra de Tim Maia ainda ecoa nas festas de todas as gerações, idades e classes sociais, onde a sua música é sinónimo de alegria e romance. Transgressor, amoroso e desbocado, consagrou-se como um dos artistas mais queridos e respeitados da música brasileira e autor de inúmeros sucessos.

Uma Noite em 67 (documentário, BR)

Realizadores: Renato Terra e Ricardo Calil

Cinema Teixeira de Pascoaes: 22 Julho

No teatro, aplausos, vaias, uma viola partida, guitarras estridentes. No palco, os jovens Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Roberto Carlos, Edu Lobo e Sérgio Ricardo. As músicas, “Roda viva”, “Ponteio”, “Alegria, alegria” e “Domingo no parque”. E só um deles sairia vencedor. O documentário é um convite para se reviver a final do Festival da Record de 1967, que mudou os rumos da MPB.

Jards (documentário, BR)

Realizador: Eryk Rocha

Cinema Teixeira de Pascoaes: 22 Julho

Um ensaio poético-musical sobre o cantor, compositor e violonista carioca Jards Macalé. Celebra o instante do processo de criação do artista, a afinação, a repetição, a improvisação dos instrumentos. O fluxo do homem e a música. O êxtase e a solidão do artista que coexistem num entrelaçamento constante entre arte e vida.

I Love My Label – Discotexas (documentário, PT)

Realizadores: António Sabino, Pedro Gonçalves e Igor Martins

Cinema Teixeira de Pascoaes: 22 Julho

Terceiro filme da série sobre editoras discográficas portuguesas, idealizada por Rui Portulez e realizada pelo Centro de Inovação da RTP Porto, apresenta a editora Discotexas –  fundada por Luís Clara Gomes e Bruno Cardoso. Reconhecida pelos projectos Moullinex e Xinobi, a dupla passou a cruzar discos que navegam entre a música electrónica e o rock.

Vinicius, um Rapaz de Família (documentário, BR)

Realizadora: Susana Moraes

Museu Amadeo de Souza-Cardoso: 23 Julho

Susana Moraes retrata o pai na intimidade numa produção que ganhou recentemente uma nova versão. Distante de um retrato oficial do grande poeta, diplomata e criador da Bossa Nova, o documentário mostra um homem entre amigos e familiares, desprendido de convencionalismos, numa atmosfera que se reflecte também na linguagem despojada de sua obra. Reúne depoimentos dos amigos, como Oscar Niemeyer, Ferreira Gullar e Tom Jobim.

Chico Science, Caranguejo Elétrico (documentário, BR)

Realizador: José Eduardo Miglioli

Museu Amadeo de Souza-Cardoso: 22 Julho

O filme refaz a trajectória do cantor e compositor Chico Science, expoente do movimento Manguebeat e um dos mais importantes músicos do panorama brasileiro. Mostra a formação do grupo Chico Science & Nação Zumbi, as digressões pelo Brasil, a criação do movimento e o legado que deixou, após a sua morte precoce há 20 anos.

Celeste (documentário, PT)

Realizador: Diogo Varela Silva

Cinema Teixeira de Pascoaes: 23 Julho

Realizado em homenagem aos 70 anos de carreira da fadista Celeste Rodrigues, o filme é um retrato íntimo e sincero da artista, narrado na primeira pessoa e guiado pela cumplicidade familiar do realizador. As imagens de arquivo revelam a contemporaneidade de seu fado. Com 59 discos gravados, a irmã mais nova de Amália, hoje com 94 anos, continua a cantar e a fazer do fado uma força de viver.

Nós Somos Um Poema (documentário, PT)

Realizadores: Sérgio Sbragia e Beth Formaggini

Museu Amadeo de Souza-Cardoso :: 23 Julho

Produzido por Lu Araújo (directora do MIMO), esta curta-metragem premiada revela a desconhecida parceria de dois génios da MPB, Pixinguinha e Vinicius de Moraes, que se uniram para compor a banda sonora de “Sol sobre a lama”, do realizador Alex Viany (1963). O filme conta com as participações de grandes artistas da música brasileira, como Elza Soares, Jards Macalé, Céu e Diogo Nogueira.

MIMO FESTIVAL AMARANTE: CONCERTOS EXCLUSIVOS EM PORTUGAL EM DESTAQUE NA PROGRAMAÇÃO

  • 52 actividades de acesso gratuito com artistas de 10 nacionalidades em 6 espaços ao longo de 3 dias
  • Música, Cinema, Programa Educativo, Fórum de Ideias, Chuva de Poesia e Roteiro Cultural
  • 9 concertos exclusivos em Portugal
  • Programa “MIMO Sem Barreiras” para facilitar a acessibilidade de pessoas com necessidades especiais ou mobilidade reduzida

A cidade de Amarante volta a ser palco do MIMO Festival Amarante que se realiza de 21 a 23 de Julho e conta com 52 actividades, entre música, cinema, programa educativo, fórum de ideias e poesia.

O norte-americano Herbie Hancock; os brasileiros Rodrigo Amarante, Nação Zumbi e Céu; os tuaregues Tinariwen; a cantora londrina Ala.Ni; a parceria entre os brasileiros Hamilton de Holanda & O Baile do Almeidinha e a cabo-verdianaMayra Andrade; o titã do ethio-jazz e o quinteto parisiense Girma Bèyènè & Akalé Wubé; a ‘artista do ano’ pelos Victoires Du Jazz 2016, os prémios franceses equivalentes aos Grammys, a baterista e compositora Anne Paceo, actuam em exclusivo no MIMO Festival Amarante 2017.

Da programação fazem ainda parte o cantor “maldito”, um dos nomes mais inquietos, inovadores, criativos e irreverentes da MPB, Jards Macalé; os portugueses Manel Cruz, Ricardo Ribeiro, Três Tristes Tigres, Filipe Raposo, Quarteto Arabesco convida Pedro Jóia e Coro da Câmara de Lisboa; e a parceria entre os Camarões e Cuba assinada por Richard Bona & Mandekan Cubano.

Além da música, fazem parte integrante do cartaz o Festival MIMO de Cinema; o Programa Educativo com workshop de Anne Paceo, Ala.Ni, Rafael dos Anjos, oficina de Walter Areia e uma masterclasse com Pedro Jóia; o Fórum de Ideiascom conversas moderadas por Jorge Guerra e Paz com Manel Cruz, Nação Zumbi, Ricardo Ribeiro e Jards Macalé; a Chuva de Poesia com textos de poetisas de todo mundo como a nossa Sophia de Mello Breyner Andresen, a brasileira Ana Cristina César, a russa Marina Tsvietáieva, a norte-americana Emily Dickinson, a grega Safo e a indiana Rupi Kaur; e um Roteiro Cultural Guiado que visita a história, a tradição e a natureza de Amarante.

De acesso gratuito, o MIMO Festival Amarante realiza-se de 21 a 23 de Julho no Parque Ribeirinho, Museu Amadeo de Souza-Cardoso, Igreja de São Gonçalo, Igreja de São Pedro, Centro Cultural de Amarante e Cinema Teixeira de Pascoaes.

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *