Home / Grunge /

Compilação póstuma revela gravações inéditas de Chris Cornell

Compilação póstuma revela gravações inéditas de Chris Cornell

Mídia Kit Blog Mundo de Músicas
 

A 16 de novembro celebra-se o legado musical do cantor/compositor e ícone musical Chris Cornell com um álbum homónimo de 17 temas, “Chris Cornell”, e uma caixa deluxe de 64 temas (11 deles inéditos).

Este é o primeiro lançamento desde a morte do músico em 2017, sendo o álbum lançado pela mulher de Cornell, Vicky Cornell em representação do The Chris Cornell Estate.

Chris Cornell” celebra a vida e o legado não só do cantor, mas também do poeta e de um dos compositores mais prolíficos e uma das melhores vozes da era moderna do rock.

O primeiro tema inédito, “When Bad Does Good”, foi produzido, gravado e misturado por Cornell e foi encontrado no seu arquivo pessoal de gravações.

O tema era um dos seus favoritos e foi o seu amigo Josh Brolin que lembrou Vicky da canção inédita, tendo então decidido partilhá-la com os fãs.

Pode ouvir agora mesmo o tema em chriscornell.com ou no lyric video que está disponível aqui em baixo:

 

 

GARANTA JÁ O NOVO DISCO DE CHRIS CORNELL NAS LOJAS ONLINE:

FNAC PORTUGAL

AMAZON REINO UNIDO

AMAZON INTERNACIONAL

LIVRARIA CULTURA

SARAIVA

 

Ao longo dos 17 temas de “Chris Cornell” estão representadas todas as suas conquistas artísticas, desde o seminal hino dos anos 90 “Black Hole Sun” dos Soundgarden, passando pela tristeza de “Hunger Strike” dos Temple of the Dog ou pela sensibilidade de “Like A Stone” dos Audioslave, sem esquecer o seu tema a solo para o filme de 2006 de James Bond “Casino Royale”, “You Know My Name”.

Esta coletânea contém ainda um par de gravações inéditas: uma versão emotiva de “Nothing Compares 2 U” de Prince, gravada ao vivo na Sirius XM, e “When Bad Does Good”.

A 16 de novembro também será editada uma caixa deluxe de edição limitada com 4 CDs que contém 64 temas, 11 deles inéditos.

A edição standard de “Chris Cornell” inclui um livreto de 32 páginas com fotografias inéditas e textos dos antigos colegas de banda e amigos Kim Thayil, Matt Cameron, Tom Morello dos Rage Against The Machine e Audioslave, Mike McCready dos Pearl Jam, assim como o produto Brendan O’Brien.

 

A edição de 2LP de 180 gramas inclui um livreto de 12 páginas e os mesmos depoimentos já referenciados, enquanto a edição deluxe de 4CD contém um livreto de 54 páginas.

A 16 de novembro será ainda lançada uma caixa Super Deluxe de edição limitada que contém 4CD, 1DVD e 7LP de 180 gramas.

Esta edição Super Deluxe reúne 88 faixas – 64 canções e 24 vídeos, sendo que 11 temas e 2 vídeos nunca foram lançados previamente. Este lançamento inclui ainda um livro de fotografias de capa dura com 66 páginas, três litografias inspiradas no fascínio de Cornell pelo sol, um tapete para gira-discos, um pano de limpeza de vinil e um póster.

 

 

Entre as gravações ao vivo inéditas incluídas nesta caixa está o dueto de Cornell com Yusuf/Cat Stevens em “Wild World” e um outro dueto com a sua filha, Toni Cornell, e uma versão do clássico “Redemption Song” de Bob Marley.

É ainda destacada a digressão de reunião do 25.º aniversário dos Temple of the Dog com os temas “Reach Down” e “Stargazer”, além de fazerem parte desta edição o arranjo de Chris para “One”, dos U2, com a letra do tema homónimo dos Metallica, e a gravação ao vivo de “Show Me How to Live” dos Audioslave em Cuba.

A caixa traz ainda a versão de Chris de “A Day In the Life”, dos The Beatles, gravada no Royal Albert Hall em Londres em 2016, os temas “Wide Awake”, “All Night thing” e “Thank You” (original dos Led Zeppelin) gravados ao vivo na Suécia, em formato acústico.

Os dois vídeos inéditos destacam a performance acústica a solo de “Scream” e uma nova versão do vídeo de “Live to Rise” dos Soundgarden.

 

GARANTA JÁ O NOVO DISCO DE CHRIS CORNELL NAS LOJAS ONLINE:

FNAC PORTUGAL

AMAZON REINO UNIDO

AMAZON INTERNACIONAL

LIVRARIA CULTURA

SARAIVA

 

ARTIGOS RELACIONADOS

     
   

Partilhar este artigo

Comentários

  • 26 September, 2018

    Bom demais! Chris Cornell faz muita falta.

    • 17 October, 2018

      verdade Walterr, nos últimos tempo tenho refletido muito sobre as letras que lee compunha, quando era novo não conseguia compreender a dimensão desse artista mas ultimamente não paro de rever o grande músico que o Chris era e sempre será

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *