Home / Concertos /

As medidas ambientais aplicadas pelos festivais de música em Portugal

festivais de música em portugal

As medidas ambientais aplicadas pelos festivais de música em Portugal

 

Todos os anos os festivais de música em Portugal atraem milhares de pessoas movidas pela mesma vontade de ouvir música e de ver de perto os seus artistas favoritos. Fazem-no em grupo, descontraindo de tudo o resto que se passa nas suas vidas, frequentemente com um copo de cerveja na mão e até um cigarro entre os dedos… sem saberem, no entanto, o impacto ambiental que o evento onde estão presentes está a provocar.

Uma estimativa recente aponta que dois milhões de pessoas (entre as quais portugueses e estrangeiros) passa por festivais na época alta, todos os anos. Esta grande afluência resulta na produção de lixo, recursos, energia, entre outros. Ainda assim, os festivais de música continuam a ser uma peça-chave na economia portuguesa, especialmente na economia local de regiões com baixa densidade populacional.

Olhando de forma genérica para estes eventos não tardamos a encontrar os riscos que apresenta para o ecossistema. Os festivais de música reúnem uma elevada concentração de pessoas de diferentes faixas etárias e culturas. Dada tal afluência, existe inevitavelmente uma sobrecarga e pressão das infraestruturas, pelo que é necessário que haja preocupação ambiental. Com isto, os promotores dos festivais e órgãos governamentais preocupam-se cada vez mais com a sustentabilidade quer a nível social, económico e ambiental.

Em 2017, a pensar em festivais mais ecológicos, tem sido feito um esforço por parte de promotores de festivais para apostar em soluções que tenham mais em atenção o desempenho ambiental.

Como o Governo tenciona ajudar o festivais de música em Portugal

As melhores medidas passam por poupar recursos, tratar efluentes e analisar alternativas para a produção de energia. Para incentivar e tornar possível a aplicação de tais medidas, as organizações dos festivais terão financiamento até 60% no programa Sê-lo Verde.

“O que tem prioridade são mesmo as boas ideias, a poupança de recursos, onde estão os resíduos, é de facto da maior importância, os efluentes também, a produção de energia também. Esses serão cofinanciados até 60% do montante das medidas que vierem a ser apresentadas”, explicou o ministro do ambiente João Matos Fernandes, em declarações à imprensa.

 

De acordo com o Ministério do Ambiente, as propostas recebidas na área da educação ambiental terão apoios até 40% do seu valor. O ministro garantiu ainda que o programa Sê-lo Verde tem como objetivo prestar uma “uma garantia de sustentabilidade ambiental” a diferentes organizações e que o cofinanciamento das medidas será dividido entre festivais de média dimensão e festivais de grande dimensão.

Ações que promovam o uso de novas tecnologias e de energias renováveis serão ainda levadas a cabo durante os festivais, procurando alertar a audiência para a necessidade de assumir uma responsabilidade ambiental.

A partir do conhecimento destes problemas e, tendo em conta que muitos festivais já têm em curso boas práticas ambientais, o Governo português decidiu avançar 500 mil euros para apoiar cerca de 10 festivais com cerca de 50 mil euros cada um.

A sessão de apresentação do Sê-lo Verde incluiu um encontro entre ‘startups’ e promotores de festivais para “juntarem ideias” visando festivais mais sustentáveis no futuro. Entre os promotores presentes, foi transmitida a ideia de que a preocupação com o ambiente tem de passar pelos organizadores dos festivais, mas também pelos espetadores, principalmente na produção de resíduos e na mobilidade, ou forma de chegar aos eventos.

Para conhecer a agenda de festivais em Portugal confira o nosso post AQUI

CONHEÇA AINDA OS FÃ PACK FNAC PARA FESTIVAIS DE VERÃO AQUI!

AGENDA DE SHOWS NO BRASIL EM 2017

AGENDA DE CONCERTOS PORTUGAL EM 2017

LISTA DE PLATAFORMAS ONLINE PARA COMPRAR INGRESSOS

 

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *