Home / Concertos /

Fergie: o que não sabe sobre a duquesa dos Black Eyed Peas

Fergie: o que não sabe sobre a duquesa dos Black Eyed Peas

 

Todos conseguem dizer com facilidade que Fergie é uma das integrantes da bem conhecida banda Black Eyed Peas. A sua aparência inesquecível, quando combinada com a voz marcante, promete deixar uma marca. Ainda assim, mesmo que tenha sido no grupo musical que a artista se estreou, a verdade é que conta com uma carreira a solo, tendo levado o seu trabalho, nas últimas décadas, a diferentes cantos do mundo, sem se fazer acompanhar dos seus companheiros.

No entanto, quem é realmente Fergie? Esta é uma pergunta que muitos fãs fazem frequentemente, procurando perceber porque mantém a artista uma carreira a solo para além da sua participação com os Black Eyed Peas. Assim, sabendo que Fergie passará no Rock in Rio Brasil em setembro de 2017, quisemos saber mais sobre a artista, investigando a sua história pessoal e identificando os grandes marcos da sua vida e carreira.

Ao longo dos próximos parágrafos iremos falar um pouco sobre Fergie, revelando alguns detalhes da vida da artista que provavelmente não conhecia e que o prometem surpreender. E para começarmos este post em grande, porque não começar a ouvir um dos hits mais conhecidos da artista?

Quem é Fergie?

Nascida como Stacy Ann Ferguson, a 27 de março de 1975, em Hacienda Heights, Califórnia, não há sombra de dúvidas de que Fergie é hoje conhecido por ter alcançado a fama internacional pela sua participação no grupo de hip-hop e rock Black Eyed Peas. No entanto, ainda antes de se estrear no Mundo da Música, a artista já tinha dado alguns passos noutra direcção.

Fergie começou como atriz, com apenas 11 anos, surgindo primeiro em anúncios publicitários e mais tarde na popular série televisiva juvenil, Kids Incorporated. O programa apresentou os membros do grupo musical ficcional e deu a Fergie uma hipótese de demonstrar a sua capacidade vocal. A importância do programa da Disney no lançamento de artistas e atores que hoje conhecemos, como Fergie, Jennifer Love Hewitt e Eric Balfour é inegável. Ao longo de seis temporadas, Fergie construiu para si um currículo e reputação que mais tarde lhe abririam muitas portas profissionais.

Na década de 1990, já deixando para trás a sua carreira televisiva, Fergie uniu forças com Stefanie Ridel e Renee Sands – antigas colegas da série Kids Incorporated – para formar o grupo de pop Wild Orchid. Em atividade entre 1992 e 2003, o grupo lançou o seu primeiro álbum homónimo  em 1996, que gerou algumas canções de sucesso modesto, como “At Night I Pray”, “Talk to Me” e “Supernatural”. No entanto, o sucesso esperado não foi aquele que o grupo registou, conduzindo a um período de decadência e abuso de drogas.

No início do milénio, Fergie enfrentou uma luta contra o vício de crystal meth, decorrido do estilo de vida que então praticava. Constatando a tempo que a droga estava a enterrar ainda mais a sua carreira, Fergie tomou a decisão, em 2002, de deixar o vício, submetendo-se a reabilitação. Como veio mais tarde a contar à imprensa, esta luta não foi fácil, descrevendo mesmo a droga como “o fim de namoro mais difícil que tive de encarar”.

Todavia, após a tempestade, a bonança. Com o fim decretado das Wild Orchids, Fergie integra então uma banda que começava a crescer: os Black Eyed Peas. Pela altura em que a artista passou a integrar o quarteto, o grupo já existia e começava a fazer uma reputação para si mesmo. No entanto, como veio rapidamente a perceber, Fergie foi o ingrediente que apimentou a música da banda.

 

O primeiro álbum do grupo, intitulado Elephunk (2003) alcançou um sucesso gigantesco impulsionado por vários singles de sucesso, incluindo “Where Is The Love?” (que também contou com vocais de Justin Timberlake) e “Hey Mama”. Nesse mesmo ano, o grupo ganhou um Grammy Award pela melhor performance de rap por um duo ou grupo para a canção “Let’s Get It Started” – um outro hit da Elephunk que ainda hoje continua na nossa cabeça.

A banda, que também inclui apl.de.ap, will.i.am e Taboo, estava então na via rápida para o sucesso internacional. O álbum que se seguiu em 2005, Monkey Business, alcançou o topo das tabelas de rap, R & B e hip-hop e chegou ao 2º lugar no Billboard 200. Mostrando a diversidade da sua música, o grupo ganhou o Grammy Award para melhor performance de rap para a música “Do not Phunk With My Heart” em 2005, e o Grammy para melhor performance pop de “My Humps” em 2006.

E, claro, os Black Eyed Peas usufruíram de terceira outra onda de sucesso em 2009 com o lançamento do The E.N.D. A gravação alcançou o topo das tabelas de álbuns da Billboard, sucesso especialmente impulsionado pelas músicas “I Gotta Feeling” e “Boom Boom Pow”. Mas seria este o fim da banda, como preconizada pelo título do álbum? A ideia era essa, e a verdade é que nos anos que se seguiram os artistas seguiram diferentes rumos, mas não foi o fim da banda.

O mais recente trabalho da banda data a agosto de 2016 e é uma reedição da popular música “Where’s is the Love?” creditada como Black Eyed Peas featuring The World (parceria com o Mundo) e que reuniu de novo os integrantes da banda, incluindo a própria Fergie. Entretanto, apesar de nenhum trabalho estar previsto ou ter sido anunciado, a banda continua a identificar-se como tal, recusando-se a pôr um ponto final e a dissolver o grupo, o que deixa apenas a esperança de que voltem a trazer grandes trabalhos no futuro.

O sucesso a solo

Entretanto, em 2006, Fergie realizou um sonho que mantinha desde os seus dias ao lado das Wild Orchid – fazer o seu próprio álbum a solo. Com The Dutchess, Fergie prova o seu crescimento enquanto artista,  atingindo o topo das tabelas com sucessos como “London Bridge”, “Glamorous” e “Big Girls Don’t Cry”. Fergie mostra a sua capacidade de lidar com diversos estilos e demonstra, através dos videoclips, um humor nato que contrabalança igualmente com outros registos, como as baladas emocionais para hip-hop que infundem faixas de dança com sonoridades de reggae ao fundo.

Fergie continuou a perseguir a sua carreira solo, contribuindo com a música “A Little Party Never Killed Nobody (All We Got)” para a banda sonora da adaptação cinematográfica de Great Gatsby, em 2013 e lançando, em 2014, o single “L.A. Love (La La)”. Em 2016, para grande surpresa dos fãs, anunciou estar a trabalhar num novo álbum e lançou a música M.I.L.F. que rapidamente alcançou o número um das tabelas e cujo vídeo se tornou viral na Internet.

Entretanto, voltando às suas raízes enquanto atriz, Fergie assumiu pequenos papéis em filmes como Poseidon (2006) e Grindhouse (2007). Uma participação notável aconteceu também no filme Nine, onde contracena com Daniel Day-Lewis, Penelope Cruz e Judi Dench.

NÃO PERCA O CONCERTO DE FERGIE NO ROCK IN RIO BRASIL

 

Partilhar este artigo

Comentários

  • 06 June, 2017

    Na minha opnião Fergie é mais linda cantora de rock internacional que já passou pelo Rock Rio com certeza Black Eyed Peas perdeu muito com sua saida.

    Fegie merece todo sucesso do mundo.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *