Home / Indústria Musical /

Creative Live ensina como explorar o lado criativo de todos nós

Creative Live ensina como explorar o lado criativo de todos nós

 

Quando olhamos para trás, é comum apercebemo-nos de talentos latentes que acabamos por nunca explorar de forma séria. Tínhamos jeito para cantar, mostrávamos mais apetência do que os outros para a pintura ou aprendíamos línguas com uma facilidade invulgar. Com o tempo, a vida levou-nos a seguir outros caminhos e torna-se impossível adivinhar o que hoje seríamos se tivéssemos feito outras escolhas.

Graças às dificuldades impostas pela indústria musical, muitos olham para a carreira de artista como algo impossível de seguir. A insegurança da profissão e competição aguerrida fazem com que muitos músicos em potencial acabem por ser desencorajados e, no fim, muitos optam por outra ocupação. No fundo, acha-se sempre que é mais seguro ser médico, engenheiro ou advogado.

Acreditando que todos possuímos um lado por explorar, nasceu o Creative Live, uma plataforma online onde encontramos uma série de cursos de música, áudio e vários outros assuntos. O conceito por detrás do site é que nunca é tarde para aprender e todos podemos encarar a educação como um passatempo ou como uma forma de mudar de vida.

Os números do sucesso da Creative Live

Tudo começou em 2010, quando dois empreendedores decidiram juntar esforços para unir o maior número possível de criativos. Os resultados não podiam ter sido melhores e no espaço de meses, a plataforma tinha mais de 10 mil utilizadores que entravam no Creative Live para assistir a aulas ao vivo.

Atualmente, as lições são transmitidas a partir de estúdios em Seatle e em São Francisco; ao todo existem mais de 600 cursos, vistos por 2 milhões de pessoas de todo o mundo.

Os resultados alcançados devem-se muito ao trabalho dos fundadores. Nem Chase Jarvis, nem Craig Swanson eram estranhos ao mundo da Internet. O primeiro é um fotógrafo de renome, vencedor de vários prémios e com experiência em publicidade para empresas como a Nike, a Apple, a RedBull e a Starbucks. O segundo tinha fundado a CreativeTechs, uma empresa de consultoria especialista em áreas como design e publicidade.

 

O sucesso do Creative Live levou a que a empresa fosse notícia pelas melhores razões. Na imprensa internacional, a plataforma foi notícia em órgãos de comunicação tão famosos como o The New York Times, a Forbes, a revista Fortune, a Bloomberg e o Wired. A garantia de qualidade é dada pelos profissionais de várias áreas que lecionam os cursos, entre os quais há jornalistas radiofónicos, produtores de áudio e, claro, músicos.

Para ter um exemplo dos diferentes cursos disponíveis, podemos referir o Recording Rock Guitars, com o produtor e engenheiro sonoro Andrew Wade; o Fundamentals of Drum Tuning and Recording de Kris Crummett; ou o Your First Studio Job de Andrew Wuepper. As aulas estão ajustadas a vários níveis e existem cursos tanto para quem está a começar como para os que procuram aprender para serem melhores profissionais.

Creative Live para além da música

Como há pouco mencionamos, o Creative Live tem cursos de música, mas não é um site exclusivamente para músicos, produtores e aspirantes. Tirando partido da experiência que tinham, Chase Jarvis e Craig Swanson transpuseram para a plataforma uma série de áreas que podem muito bem ser do seu interesse. Além da música, não podia faltar espaço para a fotografia e vídeo, e arte e design, áreas criativas em que os especialistas se destacaram.

Além destas, o Creative Live também inclui cursos para os amantes de trabalhos manuais e para os que procuram gerar dinheiro com passatempos criativos. A última área é de finanças e gestão de dinheiro, área que conta com formadores tão sonantes como Tim Ferriss, autor do bestseller 4 Horas por Semana.

Por último, uma das mais-valias do Creative Live é a possibilidade de contactar com outros especialistas. Ao disponibilizar os contactos, a plataforma permite tirar dúvidas e até mesmo estabelecer uma rede de contactos que no futuro pode mostrar-se muito útil.

 

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *