Home / Lendas da Música /

Coldplay: uma carreira de 20 anos repleta de sonhos

Coldplay: uma carreira de 20 anos repleta de sonhos

 

É impossível não conhecer os Coldplay ou ter ouvido sequer uma música da banda britânica. Presença regular nas estações de rádio, em anúncios e bandas sonoras de filmes e séries televisivas, a banda liderada por Chris Martin é bem conhecida e aplaudida por todo o mundo. Mas será que conhece a história deste grupo musical?

O género em que se afirmam é o rock alternativo. Através das suas músicas mesclam diferentes tons, sempre aliados a letras poderosas compostas pela própria banda e onde expõem os sentimentos com tal profundidade que, por vezes, atingem mesmo uma zona mais dark. É por isso totalmente aceitável que fãs e críticos comparem os Coldplay a grandes nomes da música rock, como os Radiohead e os Oasis, duas claras influências.

Numa altura em que percorrem de novo o mundo para promover o álbum A Head Full of Dreams, decidimos que tinha chegado o momento certo para escrever um post sobre a banda e traçar a sua história, desde as origens até à atualidade.

Coldplay: sete álbuns e muitos prémios

Inglaterra, 1996. Estamos na University College of London. Um jovem chamado Chris Martin, com um talento especial para o piano e um incrível jeito para cantar, cruza-se com o guitarrista Jonny Buckland. E se formassem uma banda? Os dois não demoram muito a iniciar um projeto musical a que deram o nome Pectoralz. O nome, que pode soar estranho para quem está tão habituado aos Coldplay, foi finalmente alterado quando Guy Berryman se juntou ao grupo como baixista. Mas não, a banda ainda não estava preparada para mudar a sua designação para Coldplay. Para já eram os Starfish. Will Champion entrou pouco depois para ocupar a bateria.

Passam-se dois anos e pouco antes de gravar os seus primeiros EP’s, a banda torna-se finalmente nos The Coldplay. O The acabou por cair pouco antes de gravarem o single Brothers & Sisters, em 1999. É neste ano que assinam contrato com a editora Parlophone.

A banda começava a avançar mas a fama só veio em 2000. É nesta altura que os Coldplay lançam o single Yellow, que rapidamente se tornou viral por todo o mundo e preparou o caminho para o lançamento de Parachuttes, o primeiro álbum da banda que, fora o sucesso de vendas, esteve nomeado para um Mercury Prize. A partir daí os Coldplay iniciaram um percurso a todo o gás.

 

Gostava de ver os Coldplay ao vivo no Brasil? Bilhetes disponíveis em Viagogo e Ticketbis

Em 2002 chega-nos o segundo álbum, com o título A Rush of Blood to the Head, que não tardou a causar sensação. É aqui que encontramos pela primeira vez as músicas The Scientist e Clocks. A imprensa teceu críticas muito positivas ao trabalho da banda, enquanto vários prémios viraram a sua atenção para este trabalho musical. Entre o mais notável prémio recebido por este álbum está o da revista musical britânica NME.

O sucessor do álbum foi X&Y, inicialmente recebido com opiniões diversificadas da crítica após o seu lançamento em 2005 mas, uma vez mais, um sucesso. O disco que se seguiu foi um momento apoteótico da carreira de Coldplay, com a música Viva La Vida, lançada pela altura do Natal de 2008. A letra de Viva La Vida está repleta de referências bíblicas e históricas que, de acordo com os Coldplay, foram utilizadas para promover o espírito revolucionário que esperam transmitir com a música. Esta, por sua vez, venceu o Grammy de Canção do Ano em 2009.

O quinto álbum chegou em 2011, intitulado Mylo Xyloto que, ao contrário do seu sucessor, foi igualmente aplaudido pela crítica. Isto leva-nos então ao sexto álbum, Ghost Stories que, para além de contar com opiniões desfavoráveis, não conseguiu atingir o mesmo número de vendas dos álbuns anteriores (apesar de ter sido o álbum mais vendido do ano no Reino Unido).

Por fim, chegamos a 2015. Quase 20 anos após a sua formação, a banda lança o seu sétimo álbum, A Head Full of Dreams, produzido pela dupla Stargate e que conta com a participação e artistas como Beyoncé, Noel Gallagher, Tove Lo, Khatia Buniatishvili e Merry Clayton. Um bónus inédito presente no álbum permite-nos ainda ouvir Barack Obama a cantar o hino religioso Amazing Grace.

Entre os prémios arrecadados pelos Coldplay, destacamos os seis Brit Awards, o prémio de Melhor Álbum de Rock da Billboard Music Awards, os quatro MTV Video Music Awards e os sete Prémios Grammy entre mais de vinte nomeações.

 

Partilhar este artigo

Comentários

  • 18 fevereiro, 2016

    Gostei do post. O Coldplay está entre minhas três bandas preferidas. Não por coincidência, uma delas é a Oasis. Muito bom ler posts sobre a trajetória dessa banda extraordinária.

    • Gonçalo Sousa
      19 abril, 2016

      Olá Roberto, muito obrigado pelo seu comentário. Valeu mesmo saber que gostou, essa é a melhor recompensa que podemos obter do trabalho diário que fazemos no blog Mundo de Músicas. Grande abraço 🙂

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *