Home / Histórias de Bastidores /

Celine Dion, a minha namorada e os ciúmes da foto

Celine Dion, a minha namorada e os ciúmes da foto

 

Desperto para escrever sobre Celine Dion por causa da reincidência do Abrunhosa em apontar a voz da cantora mais famosa do Canadá como sendo o exemplo do “limpinho e intragável” e pus-me a recordar uma noite do início do ano de 1996, em Bruxelas, onde assisti a um concerto dela.

“Isto é que é um animal de palco”, dizia-me João Afonso do “special marketing” da Sony Music Portugal entre palmadinhas nas costas e efusivos aplausos. Confesso que Celine Dion não é a minha praia – como dizem os brasileiros – mas admito a surpreendente admiração pela paixão com que a vi entregar-se ao que cantava e pelas dezenas e dezenas de embrulhos – o que teriam lá dentro? – que naquela noite o público remeteu para o palco.

Quando, no final do espetáculo, me levaram até aos seus camarins, Celine apareceu com umas calças de ganga coladas à magreza da pele, demasiado agitada e distribuindo sorrisos carregados de adrenalina. Lembro-me de ter exclamado: “Que speed! Quem diria!?”. “Como é possível que a senhora saia do palco ainda mais enérgica do que entrou?”, perguntava o João como que para si mesmo, aproximando-se da artista para a trazer até mim.

Assim que se chega perto abraça-me, tacteante, subitamente os flashes a dispararem na nossa direção, mas como, se ninguém me conhece, todo eu perplexo com o instantâneo do aparato. Que força, digo-lhe, ela que enfatiza, toda mel: “É a força que provém do amor, base de tudo. Cresci num ambiente de afeição e atenção, encontrei o amor dentro de mim. Desde pequena que aprendi a trocar, a dar e a receber, partilhando emoções e sentimentos”.

 

Falava comigo como se me conhecesse de longa data, contando-me a sua vida como se ela também me pertencesse, eu imaginando-a com quatro anos a cantar no bar do restaurante dos seus pais nos arredores de Montreal. Alguém me desperta com uma palmadinha nas costas: “Pronto, já chega”.

No dia seguinte entregaram-me um envelope, lá dentro uma fotografia, eu com a Celine Dion abraçada a mim, rostos colados, os lábios como se beijassem a câmara, sorrisos maiores que o pensamento. Quando, dias depois, mostrei a foto à minha namorada de então, apanhei com uma birra e bárbara crise de ciúmes que durou mais que uma semana. Tudo porque, segundo ela, eu e a Dion tínhamos ido para a cama. E nem me adiantou jurar que não, que aquela foto tinha sido tirada um minuto depois de nos termos conhecido.

   

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *