Home / Música Brasileira /

Betho Wilson exalta a Bahia e critica as mazelas do sistema em novo disco

Betho Wilson exalta a Bahia e critica as mazelas do sistema em novo disco

 

É provável que grande parte dos nossos leitores ainda não conheça o trabalho do artista brasileiro Betho Wilson; mas deveria. Dono de uma voz marcante e autor do ótimo registro Lá Eles Infinito (2013), o músico retorna em grande estilo com o EP Pássaro Preto. Inspirado principalmente pelas belezas naturais e pelo povo da Bahia, o disco conta com treze faixas e foi lançado nesta terça-feira (8 de dezembro) pela Subterrâneo Records. Ouça na íntegra abaixo!

Com quase uma hora de duração, o álbum é marcado pela regionalidade musical e busca referência na linguagem poética, como demonstra o título da obra. “Pássaro Preto é uma linda ave, cheia de vigor e com um canto peculiar. É totalmente preta, com os olhos, bico e penas negras, assim como eu. Sou negro e amo imaginar que eu posso voar… daí então a identificação”, filosofa Betho Wilson.

A divulgação do registro teve início em novembro com o lançamento do single Diacho de Sentimento, baseado no “povo do sertão nordestino, forte, rudimentar, precário e feliz”. Em entrevista recente à revista Rolling Stone – , o músico comentou que a faixa busca inspiração sonora em outros dois artistas de peso: Luiz Gonzaga, também conhecido como o Rei do Baião, e Raul Seixas, o Pai do Rock Brasileiro.

Contexto político e social

Apesar do clima muitas vezes descontraído, Pássaro Preto se distancia do trabalho anterior por conta das letras mais densas e reflexivas. Na faixa-título, por exemplo, Betho Wilson critica o racismo de maneira pontual e sublime. “Eu sou preto, da pele preta, do dente azul. Pássaro preto, das penas pretas, do céu azul. E quando eu fico fouveiro viro um letreiro. Sou um caderno, em mim escrevo meu recomeço”.

E o contexto político prossegue. A resposta violenta do Estado às manifestações do povo contra a corrupção viraram enredo em músicas como Fina Estampa e Mosca Morta, escrita durante os protestos pelo passe livre. Temas como meio ambiente (Manda Chuva) e educação doméstica (Supletivo Social) também estão presentes no EP. “Este disco expõe meu ponto de vista sobre a vida”, resume o músico brasileiro.

Pássaro Preto parece, às vezes, dialogar perfeitamente com os romances de Guimarães Rosa, um dos escritores mais importantes do país que retratou a vida dura nos sertões. É o caso de Água de Chorar, música composta em parceria com Felipe Pomar. “Carregar balde na cabeça quarta, quinta e sexta. Andar mais um pedaço com os pés descalços. Sobre os seus passos um sorriso falso. Exprime o cansaço de um povo pacato. Menino deitado no espaço a sorrir, chorar. Chora quem tem coração. Quem tem coração?”.

 

O EP conta também com momentos mais intensos (ouça Fina Estampa e Paz no Ori) e outros mais subjetivos, perceptíveis na balada Serei Feliz e na nostálgica Menino Malino – uma espécie de ode à infância. “Lembro com saudade das tardes, eu e a molecada. Hoje em dia é tanta agonia, as coisas tão mudadas. Chamam isso de evolução, era avançada. Tem pendrive, a televisão, wi-fi na casa”.

Betho Wilson conta que seu processo de composição exige isolamento, o que acaba dando um clima mais introspectivo às canções. “Para produzir preciso de absoluta solidão. A companhia de qualquer pessoa funciona como um bloqueador de ideias e interfere em minha inspiração. Sozinho falo comigo mesmo, em voz alta, e me pergunto se os arranjos estão realmente bons. Pode parecer assustador, mas é assim que encontro o resultado”, finaliza.

Mais sobre o disco de Betho Wilson

Da MPB ao rock, passando pelo baião, soul e até hip hop, um dos pontos fortes de Pássaro Preto é o poderoso instrumental, comandado por um time de peso: Gabriel Dominguez e Wadson Calazans (guitarras), Cristiano Soares e Jarbes Pinheiro (teclados), Felipe Pomar (controlador/sintetizador/beats), Cicinho de Assis (sanfona), Nino Bezerra e Luciano Calazans e Jairo Sanches (baixo), Robinson Cunha (bateria), Luan Badaró (rum), Felipe Santana (agogô) e Ivanzinho/Pitoco da Bahia (percussão/rumpi/lê).

A produção é assinada pelo próprio cantor (que também faz os arranjos, toca violão e percussão no álbum) e por Felipe Pomar. A música Paz no Ori conta com participação do rapper Teekay Tha Newborn.Você também pode encontrar o disco nas principais plataformas de streaming: Deezer, iTunes, Spotify, Google Play, Amazon, Rdio e Napster. Acompanhe Beto Wilson no Soundcloud e no Facebook.

A foto que ilustra este artigo pertence a Heder Novaes, um excelente fotógrafo brasileiro que pode conhecer melhor no Facebook ou no Instagram.

 

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *