Home /

Article

Arquivos / 55 post/s encontrados

Fernando Tordo, uma verdadeira jóia… ou será que não?

Há uns anos atrás, depois de se encontrar com Joanna em Óbidos, José Manuel Simões ficou intrigado quando a artista se referiu a Fernando Tordo como uma verdadeira jóia. Neste post, José Manuel Simões relembra Fernando Tordo e o seu encontro com o cantor português.

O dia em que ouvi Slimmy, a “next big thing”

José Manuel Simões estava a suar atrás da bola quando ouviu o telefone a tocar em cima da toalha de praia. Correu para atender. Era Saul Davies, dos James, que tinha um som para lhe mostrar: uma música de um tal Slimmy, que considerava ser a "next big thing".

Como Salif Keita quase cometeu o maior pecado do homem

Salif Keita estava dentro de um contentor que servia de camarim à beira do Rio Douro quando José Manuel Simões se aproximou, duvidando que pudesse estar só. Decidiu ficar um pouco à distância, observando-o, ele de olhos fechados, uma túnica e um barrete redondo colorido na cabeça. Saiba como foi este encontro.

O jantar ao vivo onde conheci os Buraka Som Sistema

Em meados de 2004 alguém ligou a José Manuel Simões para o convidar para um “jantar ao vivo” no Mercado da Ribeira em Lisboa. Ao perguntar o que era isso, responderam-lhe: “Uma refeição que é uma peça de teatro onde uma dezena de pessoas de várias áreas da nossa cultura vai representar-se a si mesmo, interagindo uns com os outros e com o público que está a assistir”. Foi aqui que conheceu os Buraka Som Sistema.

Tina Turner, um ícone tangível num passeio à beira-mar

Quando José Manuel Simões viu Tina Turner a sair de dentro do Hotel Copacabana Palace no Rio de Janeiro e ouviu umas morenaças atrevidas a grotar por ela, não resistiu e avançou na sua direcção. Passavam poucos minutos da meia-noite do dia 1 de Janeiro de 1988, abeirou-se dela com uma doçura que a enterneceu e disse “happy new year miss Tina”.

Diamanda Galás: a bruxa má entre gritos e gargalhadas nos bastidores

Diamanda Galás, a feiticeira do cântico negro, a voz demoníaca do firmamento musical, recebeu José Manuel Simões ao telefone. O que era para ser uma entrevista de meia hora acabou em genuíno delírio e sombria obsessão pela morte. Alguns dias mais tarde, seguiu-se um encontro nos bastidores do concerto que a artista deu em Vila Nova de Gaia.

Ney Matogrosso: a prova de que as aparências não são tudo

Ney de Souza Pereira abriu a porta a José Manuel Simões, descalço e com o pijama de seda a descarar o peito cabeludo. Sentado com as pernas estendidas lateralmente no sofá cor de rosa, observa, contido. Quem o visse dificilmente identificaria o cantor Ney Matogrosso transfigurado no palco, deixando-se tomar pela emoção.

Uma viagem com Neil Hannon ao Cabaré das Fantasias

Quando José Manuel Simões assistiu ao concerto dos Divine Comedy no Coliseu do Porto, inserido no Super Rock Super Bock 1996, com Neil Hannon a interpretar ironicamente “Last Christmas” dos Wham, com direito a desafinanços vocais e a gargalhadas sem misericórdia na plateia, disse a si mesmo que tinha que falar com ele.