Home /

Article

Arquivos / 113 post/s encontrados

David Bowie e os alter-egos do Camaleão

Não é por acaso que David Bowie é conhecido pelo cognome de Camaleão. Mais do que um mero cantor, Bowie provou que a teatralidade na música é um meio poderoso para contar histórias, criar relações, cantar canções e transmitir emoções. A maioria dos seus grandes êxitos possui uma persona específica por detrás da voz, um alter-ego que se reproduz tanto na música como em diferentes personagens.

Michael Jackson: uma criança que nunca quis crescer

Com uma voz única, um talento incrível para a dança e o mais variado leque de escândalos associados à sua vida, Michael Jackson continua a ser considerado Rei da Pop. Todavia, qual é a história do cantor que, de acordo com a revista Rolling Stone, faturou em vida cerca de sete bilhões de dólares, tornando-se o artista mais rico de sempre?

Rage Against The Machine: 35 pancadas em cheio na cabeça

No outro dia fui contra um poste. Era de noite, estava a despedir-me do meu grande amigo José Manuel Simões e decidi continuar a falar enquanto olhava para trás e caminhava na direcção oposta, e fui contra um poste no meio da calçada. Bati em cheio com a metade direita da cara. Doeu como o caraças, todavia sorri e continuei a caminhar. Mas foi o suficiente para me recordar como sou estúpido e distraído. E nessa altura lembrei-me dos Rage Against The Machine!

Mike Patton: o Senhor das Mil Vozes

Se alguma vez assistiu ao filme Eu Sou A Lenda com o actor Will Smith sabe que os monstros eram no mínimo assustadores. O que talvez não saiba é que todos os sons emitidos pelos zombies que perseguiam o último homem à face da Terra são da autoria de… Mike Patton. Essa foi apenas mais uma demonstração da versatilidade do Senhor das Mil Vozes.

Porque razão sentimos tanto prazer ao ouvir música?

Quem já sentiu arrepios na epiderme ao ouvir a sua música favorita, desfaleceu com uma canção de amor ou ficou completamente transtornado por causa de um vizinho fã de heavy-metal sabe que a música pode exercer um poderoso efeito emocional. Se alguma vez ficou admirado com a força da música, então leia este post para descobrir como o cérebro reage ao ouvir música.

Quem Canta Seus Males Espanta

Não se sabe ao certo como o título deste post encurtou para se tornar no ditado popular que todos conhecemos, mas acredita-se que tenha sido por causa de Dom Quixote, o personagem de Miguel de Cervantes, que dizia: “quien canta sus males espanta”. Vem isto a propósito do E-Book 25 Vozes Que Mudaram A História da Música que pode aceder gratuitamente aqui no blog.

Al Green: a última grande voz da música soul

A voz de Al Green é frequentemente comparada a uma mistura perfeita entre romance e sexo. Embora considerado por muitos como o último grande artista da geração da música soul, o cantor norte-americano não soa nada parecido com os seus predecessores. Com o seu falseto característico e único, Al Green esteve em alta durante os anos 70, alcançando o top 10 das tabelas mais do que uma vez.

Otis Redding: o artista soul sentado nas docas da vida

Otis Redding é provavelmente um dos casos mais flagrantes de sucesso póstumo no mundo da música. Atualmente considerado como um dos melhores cantores de todos os tempos, o artista natural da cidade de Dawson, Georgia (EUA) nem sempre foi tão reconhecido. Muito pelo contrário.

James Brown: o Homem mais trabalhador da Indústria Musical

Cantou, compôs, dançou e produziu. James Brown respirou música do princípio ao fim num estilo único e, por isso, merece um lugar não só entre as vozes, como também entres os artistas mais marcantes da História da Música. O Padrinho do Soul teve uma carreira de meio século e influenciou muitos artistas ao longo da sua vida, durante a qual vendeu mais de 100 milhões de álbuns!