Home /

Article

Arquivos / 16 post/s encontrados

Retrospectiva musical: 2017 foi um ano próspero para a boa música popular brasileira

No final de todos os anos, temos o costume passar a limpo o que se passou ao longo do ano. Neste ano, a MPB mostrou que está viva e com todo vigor: ela desempenha o importante papel de ajudar aos brasileiros e ouvintes de música em geral a reconquistarem o prazer de viver mesmo diante de tantas dificuldades que viemos enfrentando ao longo dos últimos anos. Neste texto, traremos alguns trabalhos feitos na música brasileira que provam que 2017 foi um ano próspero para os amantes da boa MPB! São trabalhos que mostram que a MPB vive!

Música Popular Brasileira: Recordando Aquela Mítica Noite de 67

Neste mês de outubro já se passam cinquenta anos daquela Noite que abrigou o evento que pode ser considerado o maior festival da MPB de todos os tempos. Naquela Noite (nota-se a letra maiúscula), artistas dos mais variados gêneros musicais daqueles tempos defenderam canções que ficariam eternizadas diante de um público que encontrou nas vaias e nos aplausos a liberdade de se expressar em tempos de ditadura militar.

A Música Brega e a Coragem de dizer o que a Paixão queima

Existe muita discussão sobre ‘o que é MPB’. Para alguns é todo o tipo de Música Popular feita no Brasil, o que colocaria todos os cantores chamados brega junto dos artistas de fina estampa. Para outros diz respeito apenas ao movimento, dos anos sessenta, de exaltação da musicalidade estritamente brasileira, sambas e bossas. Para dar a sua opinião, o Gabriel Crespo juntou por isso uma seleção de músicas consideradas bregas em que foram trabalhados temas que a dita MPB não teve coragem de tratar.

Descubra 20 pérolas esquecidas na obra de Roberto Carlos

O Gabriel Crespo andou a remexer a obra de Roberto Carlos e encontrou 20 pérolas esquecidas! Para um artista que lançou por mais de trinta anos ininterruptos um álbum com uma média de 10-12 canções, até poderíamos trazer um número bem maior de músicas esquecidas. Mas neste post, contentamo-nos com estas 20. Confira quais são!

Uma saudade que se chama Emílio Santiago

Há quatro anos, partiu para a eternidade o cantor Emílio Santiago. Sempre nestes momentos de tristeza pela música feita na atualidade surge saudade dos bons. E a saudade do maior cantor brasileiro de todos os tempos não é à toa: a história deste artista nos ajuda a mostrar a importância de repensar as formas de se trabalhar com a arte. Confira agora o artigo emocionado do Gabriel Crespo.

Angela Maria: conheça a rainha da canção popular

Influenciada por Dalva de Oliveira, Aracy de Almeida, Marlene e Emilinha Borba, Angela Maria cantou no final dos anos quarenta em boates do Rio e participou de vários programas de calouros nas rádios da cidade, deslumbrando a todos os seus ouvintes com a sua voz potente e doce. Não demorou muito para ela ser contratada para gravar e se apresentar em programas da rádio Mayrink Veiga e Nacional. Neste post o Gabriel Crespo fala-nos do trabalho e vida da artista.

Jerry Adriani: Adeus, doce, doce amor

No dia 23 de Abril de 2017, faleceu o cantor brasileiro Jerry Adriani (70 anos), ídolo da Jovem Guarda. O artista estava a enfrentar um câncer nos últimos meses. Este texto escrito pelo nosso colaborador Gabriel Crespo é o nosso adeus ao querido artista que há mais de 50 anos enriqueceu a música brasileira. Relembremos um pouco da sua trajetória.

Roberto Carlos: celebre 76 anos do maior Astro do Brasil

Abril é o mês de comemorar o aniversário de Roberto Carlos, que está completando 76 anos de vida. O artista conta com 58 anos de carreira e mais de setenta álbuns lançados, com mais de 120 milhões de discos vendidos e mais de mil gravações, além de ser o artista brasileiro mais regravado e homenageado em todo o mundo. Neste post o Gabriel Crespo presta uma homenagem à lenda brasileira.

Agnaldo Timóteo canta Cauby Peixoto: quando o aluno emociona o professor

Aos oitenta anos, o romântico Agnaldo Timóteo lança um trabalho impecável. O álbum “Obrigado Cauby” tem um brilho especial, pois nele Timóteo não interpreta Cauby como fazia no início da sua carreira, nos anos cinquenta, quando era chamado para imitar o ídolo nas rádios de Minas Gerais, neste CD ele faz uma homenagem mostrando que as canções do seu professor também pertencem ao seu repertório.