Home / Música /

A Portuguesa: o hino de Portugal que exulta a nossa pátria

a portuguesa

A Portuguesa: o hino de Portugal que exulta a nossa pátria

 

Além da bandeira nacional, um dos símbolos que representação a Nação Portuguesa é o hino “A Portuguesa”. Mais do que um hino usado em cerimónias nacionais, civis e militares, este é o hino que exulta o espírito e identidade nacional, que une todo um povo que, esquecendo crenças e partidos políticos, tem sempre algo em comum: Portugal. No dia que se segue à sagração histórica da seleção de futebol portuguesa como Campeã do Euro 2016, contamos a história do hino nacional e explicamos até onde remontam as suas origens.

O hino “A Portuguesa” sempre teve um propósito específico: exaltar o espírito nacional. Porém, as circunstâncias em que Henrique Lopes de Mendonça escreveu a letra e em que Alfredo Keil compôs a música, são muito características da época.

Estávamos então em 1890, ano em que se debatia o polémico Mapa Cor-de-Rosa africano. A pretensão de Portugal a exercer soberania sobre os territórios entre Angola e Moçambique colidia com os interesses em ligar o Egito ao sul de África. Em resposta, os britânicos lançaram então um ultimato aos portugueses para que retirassem as suas tropas do território entre Angola e Moçambique.

Esta questão gerou imediatamente grande contestação popular, especialmente depois do Governo português ter cedido ao ultimato. É assim que Alfredo Keil e Henrique Lopes de Mendonça unem esforços para compor um hino capaz de exaltar o ânimo da nação.

No célebre 31 de Janeiro de 1891, dia em que se deu uma tentativa falhada de golpe de Estado, que pretendia implantar a república em Portugal, a canção já aparecia como a opção dos republicanos para hino nacional. Isto só viria na verdade a acontecer 19 anos mais tarde, após a instauração da República no dia 5 de outubro de 1910.

Até se tornar hino, o governo monárquico proibiu “A Portuguesa”, especialmente porque a letra original contava com alguns versos controversos. Em vez de “Contra os canhões, marchar, marchar!”, o hino incluía na verdade o verso “Contra os bretões, marchar, marchar”, numa óbvia alusão aos nossos vizinhos ingleses.

O hino original é composto por três partes, cada uma delas com duas quadras (estrofes de quatro versos), seguidas do refrão, uma sextilha (estrofe de seis versos). Apenas a primeira parte do poema foi oficializada como o Hino Nacional Português.

A letra d’A Portuguesa

Heróis do mar, nobre povo,

Nação valente, imortal,

Levantai hoje de novo

O esplendor de Portugal!

Entre as brumas da memória,

Ó Pátria sente-se a voz

Dos teus egrégios avós,

Que há-de guiar-te à vitória!

 

Às armas, às armas!

Sobre a terra, sobre o mar,

Às armas, às armas!

Pela Pátria lutar

Contra os canhões marchar, marchar!

 

Desfralda a invicta Bandeira,

À luz viva do teu céu!

Brade a Europa à terra inteira:

Portugal não pereceu

 

Beija o solo teu jucundo

O Oceano, a rugir d’amor,

E teu braço vencedor

Deu mundos novos ao Mundo!

 

Às armas, às armas!

Sobre a terra, sobre o mar,

Às armas, às armas!

Pela Pátria lutar

Contra os canhões marchar, marchar!

 

Saudai o Sol que desponta

Sobre um ridente porvir;

Seja o eco de uma afronta

O sinal do ressurgir.

Raios dessa aurora forte

São como beijos de mãe,

Que nos guardam, nos sustêm,

Contra as injúrias da sorte.

 

Às armas, às armas!

Sobre a terra, sobre o mar,

Às armas, às armas!

Pela Pátria lutar

Contra os canhões marchar, marchar!

   

Partilhar este artigo

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *